Moçambique: O Presidente (Samora Machel)

Desde há alguns anos, o movimento #BlackLivesMatter tem vindo a ganhar uma importância crescente nos EUA. Ligado a isto está uma consciência cada vez maior das questões que surgem em torno do movimento de igualdade de oportunidades para todas as pessoas e da sua igualdade perante a lei, independentemente da sua cor de pele ou origem.

Em 2020, os acontecimentos nos EUA também levaram a um aumento das expressões de solidariedade fora da América. Gostaria de aproveitar esta oportunidade para recordar o Presidente moçambicano Samora Machel, que morreu em 1986 como resultado de reflexos coloniais e tendências racistas relacionadas.

O excerto do meu livro também mostra a complexidade da consagração legal de punições como a “Chicotada”, uma espécie de castigo corporal em Moçambique nos anos 80, que foi decretado pelo governo “negro” para o seu próprio povo. O meu texto lança luz sobre a ambivalência dos esforços orientados para a liberdade para emancipar um país jovem da opressão colonial e as dificuldades que conduziram a uma longa guerra civil.

Mas mesmo em tal situação, a vida quotidiana numa cidade como Maputo traz momentos de união e alegria. Estes episódios também pertencem a Moçambique nos anos 80 e é também disso que trata o texto seguinte.


Só nos vimos ocasionalmente, e quando o fizemos, o conhecimento mútuo foi bastante unilateral. Afinal de contas, ele era nosso vizinho. Não que vivêssemos de porta em porta, mas ele fazia os seus negócios governamentais na casa ao lado. Talvez devesse descrever a situação de vida para uma melhor compreensão.

Onde o Oceano Índico lava as suas águas na baía do porto em torno de um pequeno promontório no sul da capital Maputo, os portugueses criaram outrora um belo parque a partir do qual uma magnífica imagem do mar e dos navios que chegam encanta os olhos. Perto do fim do seu domínio, os colonos construíram dois edifícios residenciais altos perto do parque, que se chamavam “Torres Vermelhas”, em antecipação ao seu aparecimento final. O voo apressado dos construtores deixou as torres como edifícios inacabados. Na realidade, consistiam apenas nos dois esqueletos de betão. Mesmo ao seu lado estava um complexo de três lados, com o seu lado aberto virado para a rua. Desde que a organização comercial da RDA LIMEX tinha inicialmente tomado a iniciativa de instalar ali apartamentos para trabalhadores de desenvolvimento da Alemanha de Leste – aqui chamados Cooperantes – eles deram o nome de LIDO aos seus domicílios. O nome era constituído pelas primeiras letras do originalmente mais brincadeira significava nome LIMEX-Dorf [Aldeia LIMEX].

Mudámo-nos para LIDO em 1981 com o nosso filho de três quartos de idade. Primeiro andar. Bloco transversal. O grande quintal foi cimentado a cinzento, no meio duas papaieiras tentaram sobreviver. Atrás do bloco longitudinal esquerdo, visto do nosso apartamento no meio, uma parede branca separava os pequenos jardins pertencentes aos apartamentos de um parque, no meio do qual se encontrava a residência oficial de Samora Moisés Machel, o Presidente da República Popular de Moçambique.

Lá se foi a nossa vizinhança.

O nosso bloco de casas estava localizado na rua que conduz ao portão de entrada do Parque Presidencial, que tinha de ser passado por ele e pelos seus visitantes. Devido a esta localização, desfrutámos da vigilância constante. Pelo menos sentimo-nos relativamente seguros, mas isto não impediu vários assaltantes de entrar em vários apartamentos do nosso bloco, devido à desestabilização que ocorreu durante a guerra civil em curso. Os guardas estavam um pouco afastados, de qualquer forma, e ficaram no lado oposto da rua, onde o parque continuou e escondeu os guardas. À noite quase não se notavam, a menos que uma lanterna ou a luz da lua fizessem os olhos brancos do escuro, ou a fumaça de um cigarro espalhasse um brilho vermelho numa cara preta. Na verdade, a passagem pela rua era proibida, mas os soldados toleraram a nossa presença, pois logo nos conheceram como residentes da LIDO. Foi apenas quando surgiram novos guardas que, muitas vezes em longas discussões com soldados suspeitos, o direito habitual de usar a rua teve de ser declarado. Mas o povo foi sempre tolerante, afinal de contas, poderíamos ter tomado outro caminho para contornar o terreno presidencial.

Especialmente quando viajávamos com o nosso carrinho e tomávamos o atalho para casa através do distrito presidencial, o nosso “moramos aqui” (“vivemos aqui”) era suficiente para legitimar os guardas fortemente armados.

Ocasionalmente acontecia que, quando estávamos apenas a passar o caminho em frente ao portão do parque, o Presidente saía com a sua guarda de motocicleta e, sentado numa limusina escura, dava-nos um olhar fugaz, mas nunca repreendia os guardas que tinham deixado que estranhos se aproximassem tanto dele.

Por vezes, isto levou a situações engraçadas.

Uma vez, no início de 1981, regressámos de um passeio no já mencionado parque no promontório (por causa das escadas dispostas artisticamente, era sempre chamado de “Treppchenpark” [pequeno parque de escadas] na colónia alemã) e passámos o território realmente proibido sem obstáculos. Ao passarmos, o portão abriu-se, os guardas saudaram, e após um grupo de veículos de escolta, um grande carro deslizou, no qual estava sentado o Presidente português Eanes, que tinha acabado de visitar Samora Machel. Ele acenou-nos de uma forma amigável, aparentemente pensando que fazíamos parte do tribunal.

Uma vez que apenas um muro médio-alto nos separava da propriedade presidencial, os pavões na sua maioria brancos mantidos no seu jardim aproveitaram para voar de manhã cedo para o telhado da nossa casa e depois para o pátio, acordando os habitantes ainda adormecidos com gritos estrondosos: um prazer duvidoso, especialmente aos domingos, mas ao qual todos se curvaram de bom grado em vista da beleza dos animais. Até então, não sabia que também havia pavões brancos.

Eu estava ligado ao presidente não só como vizinho mas também através da sua esposa. Indirectamente. Sábio no trabalho. Graça Machel, a segunda esposa do presidente, era a minha chefe. Ela chefiou o Ministério de Educação e Cultura (MEC), o Ministério da Educação e Cultura, onde trabalhei na Direcção Nacional de Formação de Professores entre 1981 e 1986.

Claro que o Presidente nada sabia sobre isto, só tinha tomado conhecimento da minha existência através de encontros fugazes. Não sabia que nos tinha trazido uma série de episódios alegres num período difícil (a guerra civil no país tinha estado em fúria desde 1975 e estava a piorar cada vez mais). Ninguém suspeitava que, com os acontecimentos em torno da pessoa do Presidente em 1986, surgiria para nós a situação mais perigosa e ameaçadora de vida, que até hoje ninguém esqueceu quem foi testemunha dos acontecimentos.

Mas voltando aos episódios alegres.

Pouco antes do Natal de 1981, depois de visitar a Piscina, a piscina do complexo desportivo Maxaquene, onde o calor escaldante nos tinha levado, fomos dar um passeio no Treppchenpark. Ficámos surpreendidos com a falta de outros caminhantes. A solução para o mistério foi revelada quando nos virámos da cobertura de arbustos densos para um dos caminhos principais. Soldados com metralhadoras prontas a disparar prenderam um grupo de pessoas, para as quais corremos directamente. Era o Presidente, a sua esposa e alguns altos oficiais militares que estavam envolvidos na conversa, passando por nós. Mais uma vez, o incrível aconteceu: Fomos autorizados a andar sem obstáculos atrás do homem mais poderoso do país e do seu companheiro, o nosso filho no seu carrinho de bebé. Nenhum dos guardas falou connosco. Por isso caminhámos com o grupo durante algum tempo, agora acompanhados por guardas armados atrás de nós. A razão pela qual este episódio ficou na minha memória é que Ute teve a ideia de pedir ao presidente, que nos tinha olhado amigavelmente durante pouco tempo, uma fotografia de recordação com o nosso filho de quase um ano de idade. Tive de usar todos os meus poderes de persuasão para impedir a minha mulher de fazer o que ela estava determinada a fazer. Afinal, fui eu que deixei o grupo de caminhantes com os meus companheiros e tive de ouvir durante algum tempo as queixas sobre uma foto “histórica” em fuga. Mais tarde, rimo-nos muitas vezes da situação nessa altura.

Alguns meses mais tarde, em Abril de 1982, conhecemos Samora Machel no cinema “Gil Vicente”, em Maputo. Lá assistimos a uma actuação do “State Dance and Song Ensemble of the GDR”. Muitos espectadores moçambicanos tomaram parte no programa de três horas. Claro que o nosso filho nos acompanhou, que passou parte das actuações a dormir. O programa do grupo, que tinha surgido do antigo “State Village Ensemble”, consistia em canções e danças folclóricas alemãs. Uma vez que os moçambicanos estão profundamente enraizados nas canções e danças das suas tribos, houve um grande interesse na arte popular alemã, mesmo entre os superiores do Estado. À medida que o evento se aproximava do seu clímax, Samora Machel, a sua esposa Graça, o membro da Frelimo Politburo, Marcelino dos Santos e vários outros dignitários entraram e subiram ao palco. Uma vez que o comboio tinha estagnado brevemente devido à estreita entrada do palco, Samora, como o chamávamos em confiança entre nós, teve de ficar ao meu lado por um curto período de tempo. Sentei-me na cadeira mais exterior no corredor. Quando a delegação moçambicana entrou no salão, todos se levantaram dos seus lugares. Assim, por um momento, fiquei ao lado do mais importante moçambicano desde a morte do lendário líder da Frelimo, Eduardo Chivambo Mondlane. Olhámo-nos um para o outro ao mesmo tempo, o seu olhar vagueou mais pela sala sem parar, enquanto eu o examinei mais de perto, tendo o cuidado de não parecer intrusivo. Pelo menos ele estava fisicamente mais próximo de mim naquele dia do que alguma vez esteve mais tarde.

Após a troca de palavras amigáveis e um breve discurso de Machel, todos os que estavam em palco cantaram juntos primeiro uma canção frelimo e depois “Brothers to the sun, to freedom”. Depois, o programa continuou na presença dos convidados.

Aconteceu uma coisa surpreendente.

A secção do programa com as danças folclóricas alemãs começou. Após as duas primeiras danças, o público e os oficiais aplaudiram os sons e movimentos exóticos. Quando a terceira dança foi executada, todo o cinema pareceu suster subitamente a respiração, e ocorreu um momento de silêncio absoluto. Depois, a excitação do público moçambicano foi libertada num riso ensurdecedor, que logo se transformou numa brincadeira histérica em ondas. Os espectadores seguraram as suas barrigas, enrolaram-se nos seus assentos, rugiram um rugido atrás do outro para o salão e olharam arrepiados para o palco com os olhos bem abertos.

O que tinha acontecido?

O público tinha visto as danças “normais” como especialistas interessados, por assim dizer. Mas depois aconteceu algo que não se encontra em nenhuma das danças do país: Os dançarinos alemães agarraram os seus parceiros pelas ancas e balançaram-nos para o ar. As pessoas nunca tinham visto levantar figuras numa dança antes. O seu rugido afogou a música. Os actores em palco pareciam confusos no salão, não conseguiam ver de onde vinha a diversão do povo e continuaram com as suas figuras de elevação oscilante, como o folclore alemão ditava. Uma vez que as restantes danças também eram executadas com figuras de elevação, as saias coloridas dos dançarinos bloqueavam a vista dos seus parceiros e as curvas inchavam a roupa feminina, a alegria era a ordem do dia para o resto das actuações.

Como o riso é conhecido por ser contagioso, gravámos e rimos porque os moçambicanos riram. Eles, por sua vez, acreditavam que estávamos tão divertidos como eles quando se tratava de levantar figuras enquanto dançavam. O Presidente também tinha cedido à alegria geral.

Chegar tão perto do Chefe de Estado tão facilmente não teria provavelmente sido possível para um estrangeiro em qualquer outro país da África Austral. Lembro-me de outro dia, 7 de Setembro de 1982, tão claramente porque foi introduzido como feriado nacional nessa altura. Foi para recordar aos moçambicanos a assinatura do Acordo de Lusaka (Zâmbia) em 1974, onde a delegação da FRELIMO e o Governo português confirmaram o direito do povo moçambicano à independência e estabeleceram a proclamação solene do novo Estado para 25 de Setembro de 1975.

Por ocasião da introdução do novo feriado, chefes de Estado de outros Estados foram convidados e honrados pelo seu apoio à luta moçambicana pela liberdade. Esta honra teve lugar publicamente na “Praça da Independência”, em Maputo. Samora Machel apresentou a “Ordem Eduardo Mondlane, 1ª Classe” aos Presidentes Julius Kambarage Nyerere da Tanzânia e Kenneth Kaunda da Zâmbia. Naturalmente, o local onde a Ordem foi apresentada estava bem protegido debaixo das árvores, e entre a audiência e os três presidentes um corpo de música entoou várias marchas. No entanto, ninguém me impediu de atravessar a barreira para tirar algumas fotografias destas personalidades de perto. Parece que se confiava muito num fotógrafo branco. O facto de as fotografias não terem saído particularmente bem deve-se à minha máquina fotográfica mal ajustada, um produto chamado EXA IV, que na altura era popular na RDA e simplesmente não tomava nota das condições favoráveis do tempo maravilhoso.

Um bom ano mais tarde – a guerra civil tinha escalado – o exército do país quis demonstrar a sua prontidão para lutar. No “Campo desportivo”, um estádio de futebol na “Baixa”, a cidade baixa de Maputo, os “exercícios militares” deviam ser demonstrados na presença e em honra do presidente. O estádio estava repleto de vários milhares de pessoas. Estávamos no lado oposto à bancada principal e podíamos olhar em diagonal para o presidente. Os soldados mostraram exercícios de marcha, uma banda militar tocou e unidades especiais mostraram em lutas de karaté como incapacitar dois, três ou quatro adversários em contacto físico directo. Alguns tijolos amontoados e tábuas sobrepostas com as extremidades das suas mãos.

Naturalmente, o presidente fez um discurso patriótico sobre o assunto. Em Moçambique, a atenção da audiência foi sempre desafiada no início e no final do discurso do Presidente pelos curtos discursos do orador, nos quais ele exultava o seu país e o seu povo e condenava os inimigos ao declínio. Após a respectiva sentença ter escapado à boca do presidente, a multidão repetiu a primeira – porque decisiva – palavra no coro. Entre os discursos houve silêncio absoluto, porque todos tinham de compreender exactamente a primeira palavra.

Desta vez também. A minha mulher e eu estávamos presos a uma multidão negra apertada. O nosso filho, agora com quase três anos de idade, agachou-se no meu ombro para ver tudo. Ele ficou especialmente impressionado com os enormes cânticos. Por isso, o destino tomou o seu curso.

“Viva a Frelimo!” (“Viva a Frelimo!”), gritou o Presidente para o microfone.

“Viva!”, ecoou a multidão.

“Viva o povo de Moçambique! Independência ou morte, venceremos!” (“Viva o povo de Moçambique! Independência ou morte, venceremos!”)

“Viva!”, foi ouvido das bancadas.

Andreas ouviu com espanto.

“Abaixo o imperialismo!” (“Abaixo o imperialismo!”).

A multidão: “Abaixo!”.

“Abaixo o neocolonialismo!” (“Abaixo o neocolonialismo!”).

“Abaixo!”

A mudança de “viva” para “abaixo” irritou Andreas. O entusiasmo das massas tinha-o infectado. Tentou juntar-se ao coro, mas a mudança de palavras atirou-o do seu jogo. Samora partiu para a última e repetida exclamação:

“Viva a Frelimo!”

“Viva!”.

A violência do coro popular diminuiu sobre o estádio. Todos ouviram se outra palavra presidencial ressoaria e seria repetida.

Mas Andreas só agora tinha registado a última chamada e, no silêncio total acima da grande volta, de repente, a voz de uma criança pontiaguda cantou o seu retumbante “Viva!”.

O povo levantou a cabeça e de milhares de bocas uma gargalhada irreprimível bramiu em direcção ao sol. Até a cara séria do presidente mostrou de repente alegria. Ele apertou ambas as mãos acima da cabeça e depois acenou com a mão direita na direcção a partir da qual tinha ouvido o chamado.

Andrew sentou-se orgulhosamente sobre os meus ombros, tinha ambas as mãos na cabeça, e graciosamente recebeu a homenagem presidencial e a da multidão.

Dois anos antes, já tínhamos recebido a homenagem do povo de Maputo, naquela altura, por muito involuntária e imerecida que fosse.

Num domingo quente de Junho, regressámos de uma viagem de banho de Macaneta. A cidade está situada a cerca de 40 quilómetros de Maputo, no Oceano Índico, e tem uma praia de areia fina, larga e dourada, que se funde gentilmente em dunas cobertas de vegetação da costa. Para chegar a ela, tivemos de conduzir de carro até uma pista de aterragem no Rio Incomati. Aí estacionámos o carro durante o dia. Normalmente conduzimos até lá – por razões de transporte e segurança – com várias famílias e carros em comboio. Juntos embarcámos no único meio de transporte que nos podia levar à praia, um navio chamado Barco Mestre Pires. Esta barcaça, marcada pela devastação do tempo, foi registada para 48 pessoas. Mas a tripulação não parecia lembrar-se disso. Uma vez, contei 73 passageiros durante a viagem de regresso, durante a qual tivemos de ir a terra noutro local, pois o comandante do navio não conseguiu encontrar o local de desembarque devido à cerveja que era consumida em abundância durante o dia. Com o Barco, conduzimos sempre meia hora a jusante do Incomati, observámos as numerosas ilhas de plantas flutuantes e, com a antecipação das fortes ondas do Oceano Índico e a observação dos tubarões, deslocámos o conhecimento da idade do veículo.

Uma vez que normalmente um carro estava disponível para duas famílias, neste dia estávamos na estrada com a família Burre no “Toyota”.

O alegre percalço aconteceu na viagem de regresso a casa.

Por volta das 15.30 regressamos de barco ao cais e o amigo Burre conduziu-nos à cabeça do grupo de carros que regressavam a Maputo. Ao aproximarmo-nos da capital, avistamos um avião que tinha acabado de aterrar. Pensamos que era o esperado avião Interflug, que nos fornecia sempre bem o correio de casa. Por um capricho, decidimos tomar o caminho de regresso através do aeroporto. O que não sabíamos: Samora Machel regressou com o seu avião de uma conferência de estados africanos e levou consigo o Presidente da República Popular do Congo numa visita de estado.

As visitas de Estado na África Negra são sempre coloridas e atmosféricas.

Para receber ambos os presidentes, dezenas de milhares alinharam as ruas isoladas. E tínhamos conduzido directamente para a estrada que conduzia para fora do aeroporto. No nosso caminho em direcção à cidade, as bermas das estradas eram literalmente negras com pessoas. À medida que os nossos carros se aproximavam, as pessoas pensavam que este era o chefe da caravana governamental. Muitos começaram a aplaudir, acenando bandeiras. Grupos de dança popular começaram as suas manifestações. Mesmo atrás de nós, o líder do grupo alemão, A. Wernicke, conduziu com os seus faróis acesos. Isto reforçou a impressão entre as massas de que o presidente tinha sido anunciado. Após a incerteza inicial, começámos gradualmente a desfrutar da recepção entusiasta. Günter Burre e eu acenámos com os braços dobrados das janelas abertas, como um estadista. Não havia maneira de sair da rua em nenhum momento. Só no meio da cidade é que a polícia nos acenou e nos direccionou para outra rua. Presumo que o presidente não tomou conhecimento desta escapadela.

É claro que os encontros com Samora Machel nem sempre foram de uma natureza agradável. Recordamos um “Comício popular”, um evento político de massas de Maio de 1983 com o Presidente na “Praça da Independência”. A população de Maputo foi convidada a participar. De manhã cedo, às sete e meia, tivemos de chegar ao parque de estacionamento, depois marchámos para o comício, que começou às 10h15 da manhã. Era um dia quente e húmido, e não, como nos dias anteriores, uma brisa leve do mar tornava suportável a respiração, mas do interior quente do país derivava o ar seco, a sua brisa resplandecente que descia pelas ruas e praças. Para dar significado ao rally, os militares cercaram a praça e não deixaram sair nenhum dos participantes negros. Por razões de disciplina, também ficámos. Muitas das pessoas subnutridas simplesmente caíram, não tendo nada para beber.

Samora falou longamente. Nos seus discursos e apelos teve sempre um tom guerreiro militante na sua voz, apoiado pelo gesto dos seus braços erguidos, que silhoutava ameaças e encantamentos no céu eternamente azul. O ar espesso cheirava a poeira e provocava arranhões na sua garganta. As paredes das casas e o pavimento brilhavam no calor e construíam um telhado de ar de chumbo sobre as cabeças das pessoas cujos portadores sofriam em agonia.

O evento só terminou às 17.30 hrs.

A intensidade com que Samora Machel proferiu os seus discursos ao povo teve as suas razões. A Guerra Civil tinha crescido em intensidade. Até a natureza conspirou contra o povo e os projectos importantes do governo. Uma terrível seca assolou o país. A colheita nos campos murchou, os rios só puderam ser reconhecidos pelo solo rasgado. Maputo também estava sedento. A pior seca dos últimos cinquenta anos varreu os idosos e as crianças. A fome chegou à capital, onde o racionamento de alimentos permitiu a cada habitante dois quilos e meio de arroz, dois quilos de açúcar e meio litro de petróleo por mês. Os negociantes do mercado negro e os chantagistavam ainda mais a economia já em crise. Arroz, farinha de trigo, ovos, galinha, batata e vinho desapareceram das empresas comerciais nacionais geridas pelo Estado. No porto de Maputo, 200 toneladas de milho foram encontradas num armazém, que aí se encontrava armazenado desde Novembro de 1982. Ninguém sabia a quem pertenciam. Entretanto, já não eram utilizáveis para consumo humano.

Já em Fevereiro, uma epidemia de cólera alastrou da África do Sul para Moçambique. A corrupção era galopante face a condições de vida cada vez mais precárias. O antigo director da prisão de Maputo foi condenado a seis anos de prisão por suborno e desvio de fundos. Na parte sul do país, as pessoas experimentaram o que há muito estava na ordem do dia na parte norte e central: razias e ataques de gangues da RENAMO e sabotagem por estrangeiros. Na cidade portuária da Beira, um tribunal militar condenou 40 bandidos, incluindo um inglês e vários portugueses. As sentenças foram drásticas: cinco foram condenados à morte por fuzilamento, 13 foram absolvidos e os outros foram condenados a penas de prisão que variaram entre quatro e vinte anos.

No entanto, a criminalidade ainda aumentou. Já em Abril se seguiram as penas de morte seguintes: contrabandistas tinham desviado camarões e televisões, um maquinista roubou 15 sacos de açúcar e também milho do seu comboio, dois homens assassinaram o dono de uma padaria e roubaram-lhe 65000 meticais. Os líderes de um grupo RENAMO tinham raptado pessoas nas províncias de Gaza e Inhambane, destruído escolas, incendiado hospitais, lojas e aldeias comunitárias, atacado dois autocarros e morto todos os passageiros, e finalmente destruído uma ponte.

O presidente falou ao povo, quis encorajar e apelar ao aumento dos esforços na luta contra os males que estavam a forçar o país a cair no chão.

Chicotada
A 31 de Março de 1983 assinou a “Lei sobre as penas máximas contra os Inimigos da Revolução”. A Lei 5/83 invocou o artigo 44 da Constituição moçambicana e introduziu uma punição que era simultaneamente dissuasiva e educativa: a “Chicotada”. Esta é a palavra portuguesa para “chicoteamento”. No preâmbulo, foram expostas as razões para a lei abstrusa e as sanções previstas. “Os bandidos armados massacram, assassinam, mutilam, violam e raptam cidadãos e estrangeiros, destroem bens materiais, arrasam aldeias, queimam colheitas e armazéns, destroem sementes, roubam gado, atacam comboios e autocarros e matam os seus passageiros, destroem escolas e os seus materiais, assaltam centros de saúde, destroem fábricas e lojas, sabotam os centros de abastecimento de água, sabotam as linhas centrais e de transmissão de energia eléctrica, as linhas de combustível e as instalações de armazenamento”.

A lei excluía que mesmo os condenados à morte seriam punidos com a “Chicotada”. O artigo 4 determinou o número de golpes a serem administrados e o seu doseamento:

“A pena de flagelação em série de 3 vezes 30 batidas pode ser aplicada até 3 séries, repartidas em períodos não inferiores a 8 dias”.

Qual foi o aspecto “educativo”?

O artigo 6 respondeu a esta pergunta:

“A punição da Chicotada será executada em público, com leitura prévia do veredicto”.

A aplicação prática imediata da lei mostrou como a situação era grave no país. Já no início de Abril, seis bandidos foram condenados à morte, onze receberam penas de prisão e entre 10 a 45 chicotadas.

Por “espalhar rumores” houve dois anos de prisão e dez chicotadas. Por “agitação subversiva” na Universidade de Maputo, um grupo de estudantes foi condenado a oito anos de prisão e a mais 45 “chicotadas”. A mesma punição foi dada a um professor de 21 anos que tinha um exercício escrito na aula de política e o utilizou para formular um documento contra o Estado e o partido, alegadamente com base nas respostas dos estudantes.

Educação
Nesta altura de agravamento da situação política, tinha concluído a minha tarefa de formação de formadores de professores de história para os centros de formação no país e estava agora a trabalhar na Direcção Nacional do Ministério da Educação responsável pela formação de professores. Tinha anteriormente cumprido a tarefa de elaborar um currículo para a formação de professores do ensino primário nos “Centros de Formação para os Professores Primários” (CFPP), para satisfação do Director Nacional Raposo Berão e do Ministro. O Ministério aprovou-o e encaminhou-o como um currículo válido para a formação de professores de história a este nível. Trabalhei agora no departamento de “Pedagogia” e, juntamente com André Titosse Sidónio Winge, formei o “Grupo de disciplina da história” (“Secção de História”). Foi-nos pedido que escrevêssemos textos auxiliares (“Textos de apoio”) para os alunos, que seriam formados em professores do ensino primário num curso de três anos de estudo directo após a conclusão do sexto ano. A intenção era de combinar posteriormente estes textos num livro didáctico.

O meu colega moçambicano era uma personalidade conhecida a nível nacional. Foi considerado um dos melhores atletas de atletismo do país e, para nosso deleite mútuo, foi nomeado para a equipa nacional em Abril. Estava a preparar-se para participar nos Jogos Olímpicos de 1984 em Los Angeles.

Com as nossas actividades participámos na concepção e implementação do “Sistema Nacional de Educação (SNE)”, o sistema nacional de educação, que estabeleceu o objectivo de formar o “Homem Novo”, o “Homem Novo”: capaz de ajudar a moldar a construção de um Moçambique libertado. Desde o início da luta pela liberdade, a FRELIMO tinha estado empenhada no acesso de todos os moçambicanos à educação. Samora Machel declarou em 1981: “O sistema nacional de educação é revolucionário e popular nos seus princípios, nos seus objectivos e no processo da sua materialização.

De facto, a fome dos moçambicanos pela educação era enorme. O governo e a FRELIMO começaram imediatamente a criar um sistema nacional de educação e formação e a utilizar a experiência adquirida no estrangeiro para levar a cabo este projecto de forma eficaz. Com base nas decisões do III Congresso da FRELIMO em 1977, as “Linhas Gerais do Sistema Nacional de Educacão” foram apresentadas para discussão na 9ª sessão da Assembleia Popular (Assembleia Popular/Parlamento) em Dezembro de 1981. Com a adopção das “Linhas Gerais” como lei número 4/1983, estas entraram em vigor.

A educação para todo o povo, 90% dos quais eram analfabetos na altura da revolução e da conquista da independência, era uma tarefa gigantesca, pois havia falta de professores e de escolas.

Era evidente para o presidente que isto iria exigir enormes recursos materiais e financeiros, que o país pobre não tinha. Os Estados socialistas que o apoiavam não foram capazes de dar a Moçambique toda a ajuda de que necessitava. Assim, o presidente foi forçado a contactar o Fundo Monetário Internacional (FMI) já em 1982, o que, por sua vez, vinculou os empréstimos a exigências políticas. Consultores de muitos países estiveram presentes no ministério e em outras instituições de educação e formação. Trabalhei com russos, brasileiros, ingleses, cubanos, portugueses, indianos e paquistaneses. Também não foi por acaso que a esposa do Presidente estava à frente do Ministério da Educação.

No período seguinte, a guerra civil dificultou o desenvolvimento planeado. Escolas foram destruídas, professores foram mortos, livros e livros de exercícios foram perdidos em trânsito. A guerra civil grassava agora em todas as províncias. Uma enorme onda de refugiados aumentou o caos. A comida não era suficiente na frente e atrás, apesar de todos os esforços.

Foi esta a situação quando a tarefa foi definida para criar o “Novo Homem”.

O nosso vizinho, o Presidente, estava constantemente em movimento, falando ao povo das províncias nas suas línguas e dialectos banto, tentando incutir coragem nas mesmas. No entanto, a ajuda veio da África do Sul para a RENAMO, o Malawi deu-lhe refúgio.

Samora Machel já tinha assumido a liderança da FRELIMO durante a luta de libertação contra os portugueses depois de um pacote enviado em Frankfurt/Main ter explodido nas mãos do fundador da Frente de Libertação e o ter matado.

Chegou o fatídico ano de 1986.

Nada funcionou.

Os provocadores sul-africanos tinham sido contrabandeados para o país. Machel escapou por pouco ao assassinato. A luta enfureceu durante a noite nos subúrbios de Maputo. Os escritórios do ANC em Maputo (Moçambique concedeu uma estadia à organização de Nelson Mandela) foram incendiados. As minas foram enterradas na praia. O nosso embaixador proibiu-nos então de visitar a praia e de ficar nas ruas à noite.

A minha vida também tinha mudado drasticamente. Uma vez que a guerra civil ameaçava a vida, a minha mulher e o nosso filho já não estavam autorizados a entrar em Moçambique. Sentei-me sozinho num enorme apartamento numa casa de nove andares na Avenida Tomas Nduda número 1284 e lembrei-me solitário do antigo convívio no complexo LIDO. A minha mudança significou também o fim do bairro com o Presidente.

Nós, os residentes alemães, resistimos ao número crescente de assaltos, tendo uma pessoa por dia, com um cacetete, a fazer as suas rondas como guardas através dos andares. À noite, enquanto Dieter W. dormia, os assaltantes roubavam o seu rádio e esvaziavam o seu frigorífico. A bateria desapareceu de um Besouro VW e um inquilino americano removeu repetidamente a antena de televisão. Dois guardas moçambicanos estiveram envolvidos em tiroteios durante as noites, alguns dos quais eu dormi por completo. A embaixada tinha portas de ferro treliçadas presas aos apartamentos. Isto era urgentemente necessário uma vez que os moçambicanos tinham instalado uma destilaria ilegal no nono andar e todo o tipo de personagens sombrias andavam a vaguear pela casa.

A mudança não parecia concordar comigo, o azar logo me seguiu. Tudo aconteceu de acordo com um guião que o seu criador tinha começado como um thriller de crime e terminado como uma farsa.

Eu tinha gozado as férias de Julho em casa e voei de volta para Maputo no início de Agosto. Na verdade, os problemas começaram em Paris. O avião moçambicano ficou sem ar no seu trajecto de Berlim para Paris. Apenas após seis horas de estadia involuntária, um DC 10 francês estava pronto para nos levar para Maputo.

Houve um despertar rude.

O meu colega Hartmut P. veio buscar-me. Guardei a minha mala e a bagagem de mão, na qual acreditei que a minha mala de pulso com os papéis, no Toyota.

Quando estávamos prestes a sair do parque de estacionamento do aeroporto de Maputo, um jovem moçambicano abordou-nos com um jornal dobrado e pediu para ser levado para a cidade. Hartmut P., líder do grupo no ministério, rachou a cabeça. Levar estranhos no carro era estritamente proibido: Instrução da embaixada, porque a guerra civil e a situação era confusa e perigosa.

Mas o jovem causou uma boa impressão e Hartmut tinha um coração mole. Permitiu-lhe uma boleia no banco de trás. Agora deve dizer-se que não havia nenhuma divisória entre o banco de trás e o porta-bagagens. A partir daí, podia-se chegar facilmente ao tronco.

Fomos de carro e tivemos muito a dizer um ao outro na alegria da reunião. Como notámos quando olhámos para o espelho, o moçambicano tinha espalhado o seu jornal e, por isso, não era para ser visto. Se ele tivesse voltado para trás enquanto aparentemente o lia, não o teríamos notado.

Antes de fecharmos a Avenida Mao Tse-tung na rua onde eu vivia, o nosso passageiro pediu uma paragem e saiu.

Depois de termos arrastado a minha bagagem para o apartamento no primeiro andar, apercebi-me com enorme susto: A minha mala de pulso, na qual também estava o passaporte, já não estava lá! Simplesmente desapareceu. Todas as buscas não ajudaram. Ficou desaparecida.

Agora há que acrescentar aqui que na RDA, um passaporte, especialmente um que dizia “válido para todos os países do mundo”, era um documento de imenso valor. Poderia ter sido utilizado para escapar! Para evitar que isto acontecesse, sempre que viemos do estrangeiro, os nossos passaportes foram-nos retirados em Berlim. Só pouco antes de deixarmos o país é que os recebemos de volta. Mas se eu tivesse saído nas escalas em Paris, Copenhaga, Lisboa, etc., ninguém poderia ter evitado isto. Mas na minha partida de casa, a desconfiança do Estado prevaleceu.

Hartmut e eu entrámos ligeiramente em pânico. Um passaporte perdido foi considerado um delito político. “O inimigo de classe pode usá-lo para prejudicar a RDA”, foi-nos dado como lembrete.

Hartmut, respirando com força, como se tivesse acabado de completar uma corrida de cem metros: “O que está no saco?”

Por isso, não tive de pensar muito: “Passaporte, o bilhete de avião caducado, o cartão de contagem alemão e moçambicano, a carta de condução alemã e a carta de condução moçambicana, dois cheques, uma identificação temporária para o xénon, 25 DM, um lápis de quatro cores, um caderno de notas e os meus dois copos. Algumas outras coisas não me vieram imediatamente à mente.

Nessa altura, só precisava de óculos para ler e escrever. Eram apenas um instrumento de trabalho. Escrever e ler sem óculos não era possível.

“O que é que nós fazemos?” perguntou Hartmut.

“Vamos voltar para o aeroporto. Tive de mostrar o meu bilhete no balcão, por isso ainda lá tinha a mala. “Talvez o tenha perdido depois disso, ou talvez o nosso passageiro…”

“Vamos voltar e ver se o saco foi encontrado no aeroporto”.

Por isso, regressamos a um ritmo mais rápido.

Nada. Ninguém tinha encontrado nada, ninguém tinha entregado um perdido e encontrado. O meu crime foi claro: perdi o meu passaporte.

Na viagem de regresso, conduzimos na movimentada Avenida Mao Tse-tung, bem à esquerda e bem longe. Em Moçambique, há trânsito à esquerda.

À nossa frente, mas do lado direito da estrada, um camião com matrículas sul-africanas circulava a velocidades variáveis. Ao lado do motorista negro sentaram-se duas jovens mulheres que estavam a brincar com ele. Elas transportavam um frasco de comida que queriam levar para um prisioneiro na prisão.

Durante a conversa muito animada na cabina do camião, os actores prestaram apenas atenção negligente ao trânsito e ao local.

Quando o veículo estava quase na boca de uma estrada que vira à esquerda, uma das mulheres gritou subitamente: “Lá, tem de se virar, é o caminho para a prisão”.

Nesta chamada, o condutor virou o volante e tentou ir do lado direito da estrada para a rua lateral.

Mas nós conduzimos pela esquerda e Hartmut conduziu.

De repente, o longo lado do camião apareceu em frente da nossa janela e o nosso Toyota bateu contra ele e ficou preso com um estrondo alto debaixo do seu contentor de bateria.

“Atenção!”

O meu aviso misturou-se com o som de metal dobrado e o grito de dor de Hartmut.

Multidões de ajudantes de pele escura e pessoas curiosas rodearam o local do acidente.

Todas as janelas do Toyota tinham partido das suas funções reais em fragmentos de arestas vivas.

Um ponteiro castanho-escuro dirigiu-se para a frente do meu rosto e apontou para a direita (!) limpa pára-brisas em que o meu relógio estava pendurado. Rastejámos para o exterior e vimos o que estava a acontecer: eixo dianteiro direito dobrado, ambos os pára-lamas pressionados juntos, pára-choques e porta direita deformados, lâmpadas divididas em duas. Travões bloqueados. O carro estava naufragado.

A polícia. Protocolo.

O condutor do camião confessou imediatamente a sua culpa, contou como as mulheres o tinham distraído e depois informou-o demasiado tarde sobre a curva.

Fiz esboços do local do acidente e dos veículos. Hartmut tinha partido três metacarpos da sua mão esquerda.

Tinha hematomas e escoriações nas costas que me doíam as costelas, e o joelho. O meu pulso esquerdo inchou e um forte puxão começou no meu pescoço.

Claro que tivemos de ficar no local do acidente até à chegada de alguém da embaixada.

Enviaram o cônsul, um viajante rabugento e aparentemente arrogante, que se dizia estar aborrecido por ter sido enviado da vida em explosão no Brasil para Moçambique, que para ele estava deserto.

Ele deu-nos a palestra esperada e transmitiu o relatório sobre o passaporte em falta ao departamento de segurança.

Tive de comentar oralmente e por escrito os meus delitos. Concentraram-se em três delitos: Eu não tinha impedido Hartmut P. de levar o moçambicano no seu carro.

Tinha supervisão insuficiente sobre os meus documentos.

Na altura do acidente não estava a usar o meu cinto de segurança.

O nosso líder estatal tentou arduamente não inflar o assunto, mas não conseguiu impedir que um prémio para Hartmut, que iria receber a 7 de Outubro, fosse adiado para uma data posterior. Fomos ameaçados com um aviso.

Na verdade, isso teria sido o fim do assunto. Mas, por vezes, a vida tem algumas regras estranhas.

Duas semanas após o incidente, o meu colega Werner Sch., que vivia na minha casa, surpreendeu-me à noite com a notícia de que tinha recebido uma chamada telefónica no Ministério. A voz de uma mulher tinha-lhe dito que tinha encontrado os meus documentos perdidos. Se os quisesse de volta, devia ligar para o número 64 32 40 e pedir “Susi”.

“Senhora?”.

“Senhora!

Agora o nome Susi já não é muito nativo nas nossas latitudes. Mas em Moçambique? Como nome moçambicano, Susi seria extremamente invulgar.

Como não tinha ligação telefónica no meu apartamento, decidi chegar ao fundo da questão e Susi na manhã seguinte.

A tentativa matinal do telefone de Werner Sch. falhou. Após cada chamada, o sinal de ocupado era ouvido. Uma vez que o assunto com o passaporte desaparecido estava agora a ferver novamente, foi-me recomendado que informasse o oficial de segurança da embaixada sobre a nova situação. Ele sentiu uma conspiração contra a pátria e deu-me a ordem de continuar a tentar entrar em contacto telefónico com o descobridor e de organizar a hora e o local da entrega. Também decidiu enviar um dos homens de segurança armados da embaixada para me acompanhar.

Mas todos os meus esforços ao telefone foram infrutíferos.

Durante um serviço de guarda na embaixada, peguei na lista telefónica de Maputo e tentei encontrar o número que me foi passado. Na verdade, um trabalho de vida, considerando o volume do referido trabalho. Mas enquanto a folheava, reparei que a maioria dos números de telefone de Maputo tinham cinco dígitos. Todos os seis dígitos, sem excepção, começaram com o número sete. No entanto, no pedaço de papel que me foi dado, havia um número de seis dígitos que começava com um seis. Foi uma tradução ou um erro de audição por parte da pessoa que atendeu a chamada no Ministério?

Decidi trocar o seis por um sete e comecei uma nova chamada.

Indicativo de chamada normal.

A voz de uma mulher a falar algo incompreensível, mas que era claramente português.

“Posso falar com a Senhora Susie, por favor?”

“Sim, por favor, eu próprio estou ao telefone”.

Encontrei-o!

“Fui eu que encontrei os documentos. Posso ir buscá-los amanhã de manhã?”

“Com todo o gosto.

“Pode dizer-me onde vive?”

“O meu apartamento fica na Avenida Vega Monís, número 106. Primeiro andar”.

Avenida Vega Monís, que não era longe do meu apartamento e perto do local onde o nosso passageiro saiu do aeroporto.

Uma conspiração?

O homem do grupo de segurança suspeitou e disse: “O cônsul irá consigo, e o OSK irá cobri-lo”. Por detrás da abreviatura estavam os guardas que transportavam armas.

O cônsul estava muito ocupado pela manhã. Era suposto eu ir buscá-lo ao consulado às 11:00 de carro.

Claro que tinha ficado curioso sobre Susi e a casa. Por isso, fui lá no mesmo dia, para obter conhecimentos locais. Passei pelo Parque dos Continuadores e dei um passeio solitário. Ao lado do restaurante Matchedje, uma pequena rua desligou-se.

Deserta.

Verifiquei os números das casas, porque eles indicam sempre a extensão das ruas. Os números foram atribuídos medindo o comprimento desde o início até ao fim da rua. O número da casa corresponde ao número de metros a partir do ponto de partida do levantamento. O número 106 foi a última casa naquela rua.

Inconspicuamente, olhei para a fachada. Todas as janelas estavam fechadas, sem movimento.

Parecia residentes de classe média.

No meio-dia seguinte, nós os três partimos. Eu como perito local, o cônsul como comandante da acção, o OSK como segurança armada.

No primeiro andar, tomámos posição em frente de uma porta anónima. O OSK subiu uma escada com a sua arma apontada e permaneceu invisível para o primeiro andar.

O cônsul bateu vigorosamente.

Silêncio. Nada se mexeu.

Outro, ainda mais forte, bateu. Nada.

Após a quarta ou quinta tentativa fútil, decidimos retirar-nos sem sucesso.

Foi então que decidi exceder a minha autoridade e me nocauteei. Normal. Como os vizinhos fazem.

A porta abriu-se silenciosamente.

Susi era uma mulher indiana de meia-idade, não pouco atraente. Vestida de índio.

Ela convidou-nos a entrar.

Mobiliário esculpido e escuro. Rádio stereo moderno, aparelhos eléctricos. Salas grandes e limpas.

Sentámo-nos depois do seu pedido, e Susi foi buscar os papéis. Já quando ela voltou a entrar no quarto, reconheci a minha propriedade nas suas mãos.

Ela entregou-me a pequena pilha.

“Como conseguiu esses papéis?”

“Anteontem, eu estava no aeroporto a despedir-me dos meus amigos. Enquanto estava no terraço, vi os documentos deitados no chão. No cartão de identificação da embaixada no interior, encontrei o número de telefone da vossa embaixada. Telefonei-lhe de casa. Quando perguntei, foi-me dito que podia ser contactado no Ministério da Educação. Foi lá que deixei a mensagem que lhe foi enviada.

Anteontem. Isso foi 16 dias depois de os papéis terem sido perdidos.

Não podia tê-los perdido no terraço, porque não tinha lá estado.

Agradeci-lhes calorosamente e dediquei-me ao pacote que me foi entregue.

Continha o meu cartão internacional de vacinação, os dois cartões de contagem, a declaração aduaneira, a carta de condução da RDA juntamente com o certificado de habilitação e o passaporte de ajuda de emergência, o cartão provisório de identidade xenon.

A mala, os óculos, o caderno, o lápis, o dinheiro e um artigo de jornal sobre direitos de fotografia, o passaporte já não estavam lá.

Pelo menos as cartas de condução foram guardadas.

Enquanto eu folheava os jornais, o cônsul observava-me com desconfiança e punha a testa em pregas severas.

Durante a conversa com o descobridor, o cônsul certificou-se de que não se tornava demasiado pessoal.

Mas como era eu quem realmente era afectado, tomei a iniciativa.

Interessado, queria saber da mulher indiana: “Certamente o seu nome não é realmente Susi. É mesmo isso que eles lhe chamam?”.

“Gosto do nome Lady. Todos os meus amigos e conhecidos me chamam assim”.

O cônsul respondeu: “Em todo o caso, o seu nome não é Susi! Qual é o seu verdadeiro nome?”

“O meu nome verdadeiro é Teia B.”.

Então, sem que lhe perguntassem, ela disse que embora fosse indiana, tinha cidadania moçambicana. O seu marido era um homem de negócios. A sua ausência constante torna a sua vida bastante solitária, porque toda a família vive “fora” (“fora”). A família teve dois filhos.

Eu perguntei-lhe o que ela queria por uma taxa de descobridor. Ela respondeu: “Eu não quero nada. Até eu posso perder algo de vez em quando, e depois espero que o descobridor o traga de volta”.

De repente, ela pensou numa forma de me recompensar, e perguntou em que disciplina científica eu trabalhava.

“História!”

“Que pena! Eu gostaria de aprender inglês. Não conhece um professor de inglês que me pudesse ensinar?”

Vi o cabelo do meu vizinho em pé e linhas de desagrado no seu rosto transformadas numa paisagem vulcânica.

Como não podia ser responsável pela sua morte súbita cardíaca, referi amavelmente a senhora ao “Instituto de Línguas” de Maputo.

Não foram permitidos contactos privados.

Quando estávamos novamente sentados no carro, a raiva do cônsul explodiu com uma voz tão rouca de raiva: “Suponho que tenha conduzido sem carta até agora?

confirmei isto com um sorriso suave. Ele usou a chave batida, que me foi confirmada por outros colegas que tinham a ver com ele.

No dia seguinte, Hartmut e eu recebemos o aviso anunciado.

Foi, na verdade, o fim do caso. Tínhamos provavelmente suspeitado erroneamente do nosso passageiro moçambicano, mesmo que alguns factos falassem contra ele.

Quando olhei para os papéis devolvidos em casa, em paz e sossego, descobri algo que não me pertencia. Entre as folhas de papel estava um papel impresso em russo, obviamente um recibo de factura do restaurante de um aeroporto soviético. Bem.

No ministério, agora chamado Ministério da Educação (MINED) porque a secção cultural tinha sido separada, mudei para a Direcção Nacional de Educação Geral sob a direcção do Director Nacional Adelino Cruz e trabalhei agora no Departamento da Orientação Pedagógica juntamente com o moçambicano Abel Assiz e o funcionário da Associação da Juventude Cubana Rogelio.

Já em Fevereiro, a rápida escalada da situação de segurança levou o embaixador a proibir-nos de visitar cinemas, restaurantes e de participar em reuniões de massas.

Os explosivos explodiram no mercado central de Maputo e na praia, ferindo pessoas inocentes.

Isto, por sua vez, levou a embaixada a “aperfeiçoar” o sistema de segurança. A partir de agora, teve de ser preenchida uma folha em duplicado, que tinha de conter com antecedência todas as alterações de localização previstas para o período de sábado a sexta-feira (exemplo: terça-feira, das 17h15 às 18h15, a pé…).

Neste tempo de constante inquietação e nervosismo, no entanto, houve também algumas coisas agradáveis. Titosse visitou-me e mostrou-me o seu certificado de participação e a placa de bronze que cada participante dos Jogos Olímpicos de Los Angeles tinha recebido – incluindo a equipa de sete membros de Moçambique.

Tinha comprado um gravador com gira-discos, parte cassete e rádio nos EUA por mais de 200 dólares. Em troca, a alfândega moçambicana exigiu uma taxa aduaneira de 6000 meticais na sua reentrada.

Pouco tempo depois, Titosse retirou-se da vida em circunstâncias dramáticas.

Mas tenho de voltar para o presidente. Mas isso só pode ser feito referindo-se às circunstâncias como eram em Outubro de 1986.

A notícia da intrusão de um comando especial sul-africano em Maputo espalhou-se pela rádio. São esperados ataques. A segurança e as forças armadas estavam em estado de alerta, e a população foi chamada à vigilância.

Que algo iria acontecer era quase fisicamente palpável.

Da embaixada veio o aviso: “Uma vez que a RDA simpatiza com o ANC, são de esperar ataques contra os colaboradores da RDA.

Isto não afectou o meu trabalho. Por ocasião da celebração do “Dia do Professor”, fiz um discurso aos participantes no “Curso de capacitação”, um curso de formação para inspectores das províncias. No meu discurso incluí um episódio da vida de Samora Machel, que impressionou a audiência. O mesmo aconteceu com a minha apresentação ao Grupo Consultivo Alemão sobre a história dos Estados não-alinhados.

Parecia que o nosso trabalho estava a mostrar um sucesso crescente. Em meados de Outubro, realizei um seminário no Instituto Pedagógico de Maputo com 24 inspectores de todas as províncias, utilizando exemplos da sala de aula de história para lhes mostrar possibilidades de educação emocional e patriótica dos estudantes. O Senhor Banze, chefe da inspecção no ministério, estava cheio de elogios, bem ciente de que Samora Machel incluiu a história do país em quase todos os seus discursos, a fim de desenvolver a consciência nacional dos moçambicanos.

Veio então o dia mais fatídico da história do jovem Estado.

Domingo, 19 de Outubro de 1986.

África do Sul.

As montanhas Lebombo fazem fronteira com o triângulo fronteiriço entre a África do Sul, Suazilândia e Moçambique.

Em redor da pequena aldeia de Mbuzini, em Bantustan Kangwane, os habitantes notaram uma forte presença militar. A maioria dos estranhos eram membros das Forças Especiais sul-africanas.

Aqui, na região de terra vermelha intercalada por colinas e rochas, este foi um acontecimento invulgar.

Mbuzini fica apenas a poucos quilómetros da cidade fronteiriça moçambicana de Namaacha e da cidade sul-africana de Komatiport. A 80 quilómetros mais a leste situa-se Maputo.

Perto de Mbuzini, soldados montam tendas. Um homem branco saiu de uma e perguntou a um grupo de homens vestidos de civil ali de pé: “A acção está concluída?

O porta-voz do grupo respondeu: “Estamos terminados”. As argamassas não são visíveis do exterior, pelo que não estão acima. Desta vez vai funcionar, Sr. Louw”.

Hans Louw acenou com a cabeça, esfregando as mãos.

“Malan vai ficar feliz connosco”.

Ele pensou na conversa estritamente confidencial de algumas pessoas que tinham estado recentemente para ver o Ministro da Defesa sul-africano Magnus Malan. Louw era um dos participantes que pertencia à organização de Cooperação Civil do apartheid, cuja especialidade era a execução de missões de morte para o regime do apartheid.

Na qualidade de agentes do governo racista, eles tinham feito o trabalho sujo durante anos. As suas mãos estavam manchadas com o sangue de muitos membros do ANC e de outros combatentes pela liberdade do povo negro da África do Sul.

“Malan quer Machel morto. Não podemos ter o ANC expulso do nosso país. Em Moçambique, o povo negro está a reagrupar-se e a reorganizar-se”.

Um homem do grupo, cujo rosto estava manchado de fuligem, levantou o punho ameaçadoramente, como se quisesse atacar um adversário e gritou:

“Felizmente, Malan está a vingar-se. Ele quer eliminar gradualmente os contratos de 60.000 mineiros moçambicanos nas nossas minas e enviá-los para casa”.

Hans Louw deu mais algumas ordens, olhou à volta e verificou e foi para uma das tendas.

“Desta vez vai funcionar”, disse ele a um soldado que entrou na tenda e executou movimentos das mãos sobre um míssil antiaéreo atirado ao ombro. Com estas armas, duas tropas deveriam levar do céu o bimotor TU 134 A-3 do presidente moçambicano, que deveria regressar de uma conferência dos chamados estados da frente de Lusaka, a capital da Zâmbia, na noite de 19 de Outubro. Em Maputo, o avião era esperado no aeroporto de Mavalane por volta das 21h30.

“Tentámos tudo de novo”, confirmou outro homem fardado a quem Louw tinha pedido informações.

Hans Louw impressionou mais uma vez os homens: “Presta muita atenção ao meu comando. Só entraremos em acção se o plano com o radiofarol manipulado falhar. Os nossos homens estão na torre de Maputo e em Matsaba, na Suazilândia, tudo está precisamente preparado”.

“Tem contacto directo com Malan?”

O questionador, também um dos soldados que deviam disparar os mísseis antiaéreos, virou-se para Louw.

“Pelo amor de Deus! Há aqui uma grande política em jogo. Tem de ser tudo protegido e almofadado. Vou comunicar com ele através de Ben, o oficial encarregado da inteligência militar, e do Major Craig Williamson, da organização de segurança.

O crepúsculo estava a cair sobre o Lebomboberge.

Em Lusaka, o TU 134 do presidente moçambicano descolou para o seu voo de regresso a casa. Para a tripulação soviética, era um voo de rotina. Estavam a trabalhar em Maputo há 18 meses e tinham adquirido a experiência de 65 aterragens no aeroporto de Maputo, 70 por cento das quais eram voos nocturnos. O Comandante Yuri Novodran foi considerado um piloto experiente. O piloto de primeira classe da aviação civil soviética de 38 anos tinha acumulado 13056 horas de voo, metade das quais tinha passado no TU 134. Ele conhecia a aeronave do avesso.

Igor Kartamychev, 29 anos de idade, voou como co-piloto, e como piloto de 3ª classe já tinha registado 3790 horas de voo. A tripulação incluía também Oleg Kandrianow, o navegador, também um piloto de 1ª classe com quase 13000 horas de voo e Anatoli Choulipov, o operador de rádio, que olhou para trás com 30 anos de experiência profissional e mais de 14000 horas de voo em todos os tipos de aeronaves da União Soviética. O engenheiro de voo era Vladimir Novossolov, de 37 anos de idade, que tinha voado mais de 6200 horas.

A experiência destes homens predestinou-os a pilotar um avião presidencial.

Nessa noite, 39 passageiros além da tripulação estavam sentados no Tupolev, além de Samora Machel, os seus dois médicos cubanos, os embaixadores Cox Sikumba da Zâmbia e Tokwalu Batale Okulakamo do Zaire. Todos os outros faziam parte da tripulação de escolta de Machel.

Segunda-feira, 20 de Outubro de 1986.

Maputo, Ministério da Educação, sala 205.

Eu tinha espalhado os meus documentos na secretária e resolvido os que já não eram necessários para a tarefa que tinha pela frente. Rogelio entrou, assobiando alegremente, e inclinou-se sobre alguma carta que tinha trazido consigo. Abel Assiz sentou-se sobre um pedaço de material impresso com um sorriso de satisfação e estudou-o cuidadosamente. Tudo estava como de costume. A satisfação particular de Abel vinha da pequena rádio que estava à sua frente na sua secretária, que tocava a música que a estação tinha realmente gravado com tons de lata e chocalhos. Abel amava a rádio mais do que tudo. Há alguns dias, este amor tinha voltado a arrancar, porque Rogelio e eu tínhamos ressuscitado a peça anteriormente morta e silenciosa com pilhas, e com ela o bem-estar de Abel. O homem alto e magro com a expressão aberta apreciou o programa da Rádio Moçambique num volume quase doloroso.

Como sempre achei tal música um factor perturbador durante o trabalho, só ouvi com meia orelha os sons de grasnar que deixaram o aparelho em miniatura. Mas depois de algum tempo fiquei desconfiado. Deve ter sido tão pouco tempo depois das 8 horas.

Algo parecia diferente do habitual.

“Abel, reviu o nosso esboço em português sem falhas antes de ir ao ministro?”

Tive de repetir a pergunta em voz alta e trazer Abel de volta à realidade do nosso espaço de gabinete.

Ele abanou a cabeça, “Faço isso amanhã”.

De repente, soube o que havia de diferente nesta manhã do que é habitual.

“Ei, Abel e Rogelio, já repararam que a rádio só toca música fúnebre o tempo todo?”

Ambos puseram as suas coisas de escrita fora das mãos e olharam para mim com espanto.

Com alguns comentários casuais, tentei superar a súbita ansiedade.

Mas também as seguintes peças de música eram claramente música fúnebre.

“Morreu alguém de importância nacional?”

Abel balançou a cabeça no negativo e Rogelio puxou os ombros para cima e indicou a falta de pistas com os lábios com bolsa.

Depois a música parou abruptamente.

Após um intervalo, a voz de Marcelino dos Santos, membro do Politburo do Comité Central da Frelimo, ressoou.

A sua voz soou som sombrio e solene.

“Moçambicanos, mulheres moçambicanas”.

Com profunda emoção e dor, o Politburo do Comité Central do Partido da Frelimo, a Comissão Permanente da Assembleia Popular e o Conselho de Ministros da República Popular de Moçambique anunciam ao povo moçambicano entre os rios Rovuma e Maputo a trágica morte do Presidente do Partido da Frelimo, do Presidente da República Popular de Moçambique, Marechal Samora Moisés Machel.

Estas palavras atingiram a sala como um relâmpago, todos os pensamentos estavam num turbilhão.

“A sua morte ocorreu quando o avião presidencial, vindo de Mbala, Zâmbia, se aproximou do aeroporto de Maputo e, por razões ainda desconhecidas, caiu em território sul-africano, em Mbuzini, a cerca de cinco quilómetros a noroeste de Namaacha”.

As outras palavras foram afogadas num barulho ensurdecedor que se elevava nos corredores, onde as vozes masculinas horrorizadas se misturavam com os gritos e gritos das vozes femininas em tombo.

Abel mostrou horror num rosto que se tinha tornado cinzento. Apressou-se a sair para o corredor. Rogelio saiu do escritório em duplo: “Tenho de reunir os meus camaradas cubanos de imediato”.

Um relâmpago piscava-me na cabeça, iluminando a imagem de Lumumba, o mártir congolês e primeiro presidente do seu país, assassinado em 1961, e brilhando a sua luz sobre Samora Machel. Como as imagens se assemelhavam umas às outras! No início, estava ciente de que um crime semelhante tinha sido cometido aqui contra um dos mais importantes estadistas da África Negra desperta.

O barulho crescente das ruas entrava pelas janelas.

Samora Machel estava morto.

O país em estado de choque.

O que iria acontecer?

Será que as tropas sul-africanas apareceram imediatamente nas ruas?

Quem assumiria a liderança do Estado nestas horas?

A notícia da morte de Machel espalhou-se rapidamente por todo o mundo.

Uma coisa sem precedentes tinha acontecido.

Porque morreu ele? E como? Quem eram os seus assassinos?

Ninguém acreditava num acidente.

A rádio noticiou que ontem à noite uma comissão de recepção tinha esperado o presidente no aeroporto à hora prevista por volta das 21.30h.

A máquina nunca chegou.

Nenhuma mensagem. Ninguém sabia de nada. Pode um avião com mais de 40 pessoas simplesmente desaparecer sem que ninguém se aperceba?

Só por volta das 7.40 da manhã de 20 de Outubro é que o governo moçambicano recebeu a notícia de que o TU 134 se tinha despenhado em território sul-africano com o Presidente de Moçambique.

Esta informação chegou mais de nove horas após o acidente.

Não descreverei aqui os outros acontecimentos nas horas e dias após a morte de Samora Machel ter ficado conhecida. Descrevi isto em pormenor no meu livro “Berichte aus dem Morgengrauen”. Como trabalhador de ajuda ao desenvolvimento da RDA em Moçambique”.

Em vez disso, tentarei descrever as circunstâncias e os antecedentes da sua morte, tal como me parecem e como foram encobertos durante duas décadas. Só recentemente se tornou claro que Machel foi vítima de um crime planeado e que os perpetradores vieram da África do Sul.

O que Machel significou para os moçambicanos – na memória dos seus compatriotas que ainda hoje vive e o novo governo sul-africano ajudou a esclarecer as circunstâncias da sua morte – são alguns factos.

Samora Moisés Machel morreu alguns dias após o seu 53º aniversário.

Ele era descendente do povo Chona, que pertence aos Bantu.

O seu avô paterno era um dos comandantes do comandante do exército Maguiguane, que comandou as tropas do lendário rei do Império de Gaza, Ngungunhana, contra os invasores portugueses no final do século XIX. Os seus avós maternos foram primeiro deportados de Moçambique para Angola, depois para São Tomé e Príncipe, onde morreram. O seu irmão mais velho morreu numa mina sul-africana. Na década de 1950, os colonos confiscaram os campos do seu pai porque as terras no Vale do Limpopo iam ser dadas aos agricultores portugueses. A sua casa foi demolida.

Samora Machel nasceu a 29 de Setembro de 1933 em Xilembene, uma aldeia no Vale do Limpopo, na província de Gaza, no que é hoje o distrito de Chokwe.

Entrou para a FRELIMO (Frente Moçambicana de Libertação), fundada a 25 de Junho de 1962, e recebeu formação militar na Argélia com cerca de 50 combatentes seleccionados.

Em Setembro de 1964 teve início a luta armada da FRELIMO contra o sistema colonial português, e Machel liderou operações militares no Niassa e Nachingwea.

A 3 de Fevereiro, o fundador e líder da Frente de Libertação, Eduardo Chivambo Mondlane, morreu ao abrir um pacote de bombas.

Em Maio do ano seguinte, Samora Machel sucedeu-lhe como Presidente da Frelimo. O governo português esperava um Saul entre os guerrilheiros e colocou a sua cabeça a prémio, tinha escritos e cartazes com o seu retrato queimado.

A grande hora de Machel chegou a 7 de Setembro de 1974, quando obrigou os portugueses a assinar incondicionalmente o Acordo de Lusaka, que pôs fim à guerra e abriu o caminho para a independência a partir da meia-noite do dia seguinte.

Consequentemente, assumiu o cargo de presidente a 25 de Junho de 1975, dia do nascimento do novo Estado.

Dois anos mais tarde, a frente de libertação da FRELIMO transformou-se no partido da Frelimo orientado para os socialistas.

Machel assumiu também a sua presidência.

Pelos seus serviços, o país honrou-o em 1980 com o posto de Marechal da República e por ocasião do seu 50º aniversário (29 de Setembro de 1983) com a Medalha Nacional dos Heróis.

A sua política foi determinada pelas circunstâncias do desenvolvimento do seu país. A RENAMO mudou-se do norte para o sul, assassinando e queimando. Estruturas económicas e políticas pouco desenvolvidas foram destruídas. A fome e as catástrofes naturais afligiram o povo.

O estado do apartheid na África do Sul financiou e equipou a RENAMO. O Presidente Banda do Malawi deu abrigo aos bandos saqueadores.

A miséria financeira fez Machel vacilar entre a ajuda oferecida mas insuficiente dos Estados socialistas (União Soviética e RDA) e as tentações das ofertas do Fundo Monetário Internacional Ocidental (FMI). Este último combinou os seus pagamentos e empréstimos com exigências políticas e económicas.

O governo branco da África do Sul ressentiu-se do seu apoio ao ANC, o movimento de libertação de Nelson Mandela, e sabotou o país, enviando aviões-bomba e fazendo explodir os escritórios do ANC em Maputo durante a noite.

Testemunhámo-lo em primeira mão.

Já a 20 de Outubro, o embaixador alemão proibiu-nos de sair depois do anoitecer.

Um dia mais tarde, o Ministro da Defesa Chipande dirigiu-se ao exército com um apelo.

A minha palestra sobre a história de Moçambique, que tinha planeado para a noite antes dos cooperantes da RDA, foi adiada indefinidamente. Isso foi uma coisa boa, porque muitos deles sentiram ansiedade e inquietude, engoliram tranquilizantes. Aconteceu que na embaixada da RDA já se tinha realizado uma reunião de todos os responsáveis por volta da 1 hora da noite de 19 a 20 de Outubro, por causa da ausência infundada da máquina presidencial. Das discussões no ministério soube que colaboradores da Holanda e de Portugal estavam sentados em malas cheias. A direcção do Instituto Pedagógico de Maputo recomendou isto também aos conselheiros da RDA. Eles acreditavam que a RENAMO e a África do Sul poderiam usar a situação que tinha surgido para derrubar a Frelimo ou que eventos como os do Iémen poderiam desenvolver-se. Nas discussões no ministério, desenvolveu-se um crescente anti-Sovietismo, desencadeado pela desconfiança contra a tripulação do avião presidencial. Circularam rumores no chão: a tripulação tinha estado bêbeda. Os nervos estavam tensos até ao ponto de ruptura. A embaixada malawiana e a missão comercial sul-africana tornaram-se cada vez mais o foco do interesse público, foram olhados com desconfiança e o seu pessoal foi ameaçado.

Eu não temia pela minha vida. O meu objectivo era voltar a ver a minha mulher e o meu filho.

Tudo o resto não me pareceu importante.

Claro que, tendo em conta a situação, os rumores começaram a voar.

O mais importante jornal diário moçambicano “Notíçias” e a revista semanal “Tempo” noticiaram o acidente em grande estilo e seguiram vestígios que permitiram tirar conclusões sobre as verdadeiras causas do acidente.

Embora tenham impresso as declarações das testemunhas e dos participantes, estas foram ignoradas pela parte sul-africana, e a Comissão Margo criada para a investigação em 1986 partiu do princípio de que a ocupação soviética tinha cometido um erro. Os peritos soviéticos, por outro lado, afirmaram que a máquina foi mal orientada por um radiofarol manipulado e desviou-se da sua rota em 37 graus perto da fronteira.

Só em 1998, quando a Comissão de Verdade e Reconciliação da África do Sul (TRC) também tratou da queda do avião do presidente na sua investigação dos crimes do apartheid, é que surgiram dúvidas sobre os resultados da investigação da comissão de 1986. Pela sua parte, a TRC suspeitou que o avião tinha sido mal orientado por um radiofarol, mas descobriu que não havia provas disso.

Tendo em conta os factos que vieram a lume, a manipulação do acidente por parte de actores sul-africanos parece-me certa.

O avião atingiu a colina como uma bala e partiu-se imediatamente em três pedaços. 34 dos seus ocupantes morreram, incluindo Samora Machel, 10 sobreviveram.

Os destroços da aeronave foram distribuídos num raio de 400 metros em redor do ponto de impacto.

Um dos sobreviventes foi para uma casa próxima. Quando regressou ao avião, viu guardas de segurança sul-africanos a vasculhar os escombros, à procura de Samora Machel e de documentos.

Entre os que fizeram a busca encontrava-se Hans Louw.

Os sul-africanos também levaram os gravadores de voo. Ao fazê-lo, invocaram a Convenção de Chicago, que concede ao Estado em cujo território um avião aterra o direito de conduzir investigações envolvendo outras partes.

No entanto, as investigações conjuntas foram adiadas por várias semanas porque o General Lothar Neethling recusou entregar o gravador de voz Cockpit (“Caixa Negra”).

Um jornalista que esteve no local testemunhou mais tarde que um dispositivo do “tamanho de um pedaço de manteiga” foi encontrado nos escombros, no qual os peritos suspeitaram de um codificador de frequências, um dispositivo de descodificação que codifica frequências.

Quais são os factos que permanecem quando se deixa de lado as suposições e as suspeitas?

Na “Notíçias” de 21 de Outubro de 1986, foi impressa a lista de passageiros, bem como o número de vítimas. Posteriormente, 25 moçambicanos acompanhando o presidente, dois embaixadores, dois médicos cubanos (um dos quais estava na sua última viagem oficial e estava a treinar o seu sucessor) e quatro membros da tripulação soviética perderam as suas vidas.

Nove moçambicanos e o engenheiro de voo soviético sobreviveram.

Estranhamente, em muitas publicações posteriores, o acidente é geralmente escrito cerca de 25 mortos e nove sobreviventes. Estes números, contudo, referem-se exclusivamente aos moçambicanos que foram mortos, mas mesmo assim teria de dizer: “Além de Samora Machel, morreram mais 25 dos seus compatriotas”.

A 26 de Outubro, realizou-se uma conferência de imprensa em Maputo com os três sobreviventes Fernando Manuel João, Almedo Pedro e Daniel Cuna, cujos excertos foram reproduzidos no “Tempo” de 2 de Novembro. Eles relataram o que aconteceu depois de a hospedeira Orlanda “lhes ter anunciado que estamos prontos para aterrar em Maputo”.

João explicou que “quando o avião se inclinou para a frente” e a cauda se partiu, ele foi ejectado, juntamente com a cadeira em que tinha estado sentado. Conseguiu desapertar o cinto que o segurava ao assento e endireitá-lo depois de ter estado inconsciente durante vários minutos.

Como resultado do frio e da chuva, chegou e viu uma casa com as luzes acesas. Quando se virou para lá, a luz apagou-se. Foi ter com o chefe da aldeia, que o submeteu a um longo interrogatório. Pouco tempo depois, o Capitão Rendição, ferido, juntou-se a ele. Juntos foram para o posto médico a 15 quilómetros de distância, onde receberam o seu primeiro tratamento. O posto contactou o chefe da polícia de Komatiport. Os feridos permaneceram no posto médico enquanto o chefe da polícia se dirigia ao local do acidente. Uma ambulância chegou por volta das 6 da manhã para os levar para o hospital. Contudo, João exigiu ser levado de volta ao local do acidente porque estava preocupado com o destino do presidente. Tendo em conta o desinteresse dos sul-africanos em ajudar os feridos, ele próprio tentou salvar os que estavam presos. A seu pedido, o chefe da polícia ordenou que um helicóptero viesse e levasse os feridos para o hospital. Nesta altura, as suas forças esgotaram-se e uma ambulância levou-o para o hospital.

Almedo Pedro descreveu como ele desmaiou quando o avião caiu. Quando recuperou a consciência, dirigiu-se aos polícias sul-africanos com um pedido de ajuda, mas eles não se preocuparam com aqueles que ainda estavam vivos. Foram buscar lanternas e começaram a recolher papéis, ficheiros e dinheiro, que se encontravam espalhados por todo o lado. Um dos polícias abordou-o e perguntou-lhe se reconhecia o rosto de Samora Machel. Quando ele disse que não o podia fazer, recorreu a outro sobrevivente. Carlos Jambo tinha mostrado ao polícia onde estava o corpo do chefe de estado moçambicano. Os investigadores continuaram a apanhar papéis, sentaram-se nos seus veículos e fizeram ronda.

“Quando os sul-africanos chegaram, não deram qualquer ajuda. Ouvi gritos e vi pessoas a morrer por não terem ajudado”.

O engenheiro de voo Vladimir Novossolov, o único sobrevivente da tripulação de aviões soviéticos, tinha sido transferido para um hospital em Pretória.

Interessante para a altura do acidente foi também a declaração do sobrevivente Vasco Langa, a 10 de Novembro.

“O acidente ocorreu aproximadamente às 21h35, perto da fronteira de Moçambique”. Depois de recuperar a consciência, ele olhou para o seu relógio e viu que o mesmo se lia às 21h45.

Foi levado para um hospital em Nelspruit e sujeito a interrogatório sobre a pessoa de Samora Machel. Um major da Força Aérea sul-africana disse-lhe que a tripulação soviética tinha estado bêbeda.

Langa rejeitou esta afirmação.

Ao que o Major respondeu: “O avião despenhou-se porque os russos estavam bêbados, o que foi confirmado pelo soviético que trouxemos para Pretória”.

Se fosse essa a causa do acidente, a presença militar dos sul-africanos no local do terrível acontecimento seria inexplicável.

Isto foi confirmado por um residente do Bantustan Kangwane, que fez as suas declarações à agência noticiosa moçambicana AIM, mas não quis dar o seu nome por medo de represálias. “Notíçias” imprimiu o seu depoimento na edição de 1 de Dezembro de 1986.

Interrogou-se então sobre um “forte movimento militar na zona de Mbuzini” e sobre “camiões militares com capas em vez dos carros de patrulha, de outro modo abertos”. À meia-noite uma ambulância tinha chegado de Mbuzini mas não tinha sido autorizada a passar para o local do acidente. Alegou ter visto que não foi dada qualquer ajuda aos feridos e que os militares e a polícia usaram a noite para revistar os destroços da aeronave. Os residentes de Mbuzini aproximaram-se do avião mas foram expulsos pela polícia. Um deles teria aberto um guarda-chuva sobre o corpo de Machel porque este tinha começado a chover.

No entanto, o Ministro dos Negócios Estrangeiros Pik Botha e Niel Barnard, chefe do Serviço Nacional de Inteligência, alegaram mais tarde que não havia mais documentos.

No dia seguinte ao acidente, Moçambique e a África do Sul concordaram com uma investigação conjunta dos incidentes envolvendo a Organização da Aviação Civil Internacional. Como já mencionado, no âmbito da Convenção de Chicago, a principal responsabilidade por este facto estava nas mãos dos sul-africanos.

As causas do acidente permaneceram incertas durante muito tempo, mas havia uma suspeita crescente de que o radiofarol na torre do aeroporto de Maputo tinha sido desligado e manipulado pela torre de Matsaba, na Suazilândia.

A 20 de Outubro de 1986, o Presidente da República da África do Sul, Pieter Willem Botha, escreveu nas suas condolências que tinha “grande respeito por Samora Machel como líder político e como pessoa.

Em Maputo e no ministério, os distúrbios permaneceram e perturbaram os nervos do povo.

O caixão de Samora Machel foi colocado na Câmara Ardente, na casa da “Praça da Independência”, no dia 24 de Outubro. Como as facilidades de transporte para a população eram insuficientes, todos os proprietários de automóveis, incluindo os estrangeiros, foram chamados a disponibilizarem-se com os seus veículos. Foi anunciada uma delegação da RDA para as cerimónias fúnebres, que incluía 20 jornalistas. Deveríamos estar disponíveis como condutores ou intérpretes.

O Embaixador deu instruções para que nenhum de nós fosse autorizado a expressar uma opinião privada sobre os incidentes a qualquer membro da delegação. Ele também proibiu qualquer pessoa de sair sozinha (mesmo durante o dia) para as ruas. O movimento só era permitido dentro do carro, e após o anoitecer já não era permitido de todo.

Os colegas moçambicanos da nossa Direcção Nacional quiseram conceber um “Jornal do Povo”, os jornais de parede de grandes dimensões comuns em Moçambique, para a escadaria do segundo andar por ocasião da morte de Samora Machel. O Senhor Mazula confiou-me confiadamente a direcção artística. Recebemos um reconhecimento grato pelo trabalho.

Da embaixada veio a permissão para ir à praia durante o fim-de-semana.

Com o Professor Dr. Karl H. I pedalei. Como atalho, escolhemos um caminho através de um campo militar que tinha acabado de ser construído. Os primeiros sentinelas deixaram-nos passar. Uma patrulha confundiu-nos por espiarmos sul-africanos e apontou-nos metralhadoras. Uma discussão com um oficial que se tinha precipitado até nós relaxou, que terminou com a libertação do caminho quando pudemos provar de forma razoavelmente credível que éramos “Cooperantes da RDA”. A RDA era muito popular entre os moçambicanos na altura.

Mas mesmo na praia tornou-se óbvio como a situação em Maputo ainda era tensa. Alguns RDA agacharam-se na areia, sem deixar vestígios dos soviéticos e cubanos de outro modo presentes.

O funeral de Machel foi marcado para 28 de Outubro. No dia anterior, a população e as delegações que tinham chegado foram autorizadas a despedir-se dele.

Ministérios e empresas competiam em formações fechadas. Para nós, o lema era: O Ministério da Educação reúne-se às 14 horas no cinema “África” e depois marcha até ao executivo da cidade, onde se encontra o caixão.

Da embaixada da RDA veio a ordem: “A situação é explosiva, tirar fotografias pode ser perigoso. Por conseguinte, a fotografia é estritamente proibida”!

O que faz um historiador em dias em que a história está a ser escrita e imagens irremediáveis estão em exposição? Ele mantém os olhos abertos e leva a sua máquina fotográfica consigo. Com Dieter W. Parti. Ambos com as suas máquinas fotográficas. E tirava fotografias. E todos eles concordaram que o que aconteceu merecia ser registado fotograficamente.

Deixámos o nosso bloco de marcha muito para trás e posicionámo-nos perto da entrada da morgue, observando a entrada das delegações e grupos populacionais. Gradualmente, as massas avançaram do parque de estacionamento, e surgiu a confusão à entrada.

Firmemente agarrados à multidão, aproximámo-nos da porta de entrada apenas centimetros de cada vez. As mulheres cambaleavam para fora da casa a chorar e tinham de ser apoiadas.

Às 18.30 conseguimos entrar.

As seguintes imagens escavaram-se profundamente na minha memória e ainda hoje estão presentes.

O caixão estava no primeiro andar. Um mar de flores espalhadas pela sala vermelha. Dois oficiais de alta patente seguraram o velório. Pessoal médico, forças de segurança e fotógrafos por todo o lado. Apenas uma breve paragem foi possível em frente ao caixão.

Ali estava ele, o Presidente. O meu antigo vizinho. Escondido debaixo de tábuas.

Eu tinha uma fotografia do bairro presidencial. Estava pintado com alegria e desprendimento. Agora tinha quebrado esse padrão e preenchido a relação com o infortúnio. Durante muitos anos, a infelicidade tinha sido a norma em Moçambique.

“Adeus, vizinho!” “Adeus, vizinho!

Multidões à chegada da delegação da RDA liderada por Werner Krolikowski e pelo Embaixador Matthes. Claro, ela queria ser a maior, conduzida em nove carros.

Quando o Presidente Zambiano Kenneth Kaunda chegou, a multidão tornou-se uma ameaça de morte.

As nuvens estavam a juntar-se lá fora.

Devido ao grande afluxo da população, o acesso à mortuária foi prolongado até à meia-noite.

O caixão decorado foi fechado, o presidente morto não podia ser visto.

Um dos médicos alemães explicou-me porquê: O cadáver de Machel foi despedaçado pelo impacto, o seu fígado e estômago despedaçados, a sua cabeça esmagada e meio esmagada. O cérebro foi espremido e uma perna arrancada. O médico também sabia que nove dos dez sobreviventes tinham estado sentados na parte de trás do avião. Das pessoas sentadas na frente, apenas o engenheiro de voo soviético tinha sobrevivido ao desastre. Quase todos os passageiros, mesmo aqueles que não tinham lesões externas, sofreram uma fractura da segunda vértebra cervical.

No dia seguinte, quando perguntámos a Abel se ele tinha agora verificado a correcção linguística dos “Exames” (“Prüfungsaufgaben”) para o assunto História no décimo primeiro ano, que Rogelio e eu tínhamos trabalhado, ele abanou a cabeça. Ao meio-dia apareceu e mostrou-me, orgulhosa e descaradamente, um “Poema para Samora Machel”, que tinha composto e escrito em quase duas páginas A4.

No dia seguinte, Samora Machel foi enterrado na “Praça dos Heróis”, em Maputo. O cortejo fúnebre começou a partir da “Praça da Independência”. Um tiro de canhão anunciou o início da cerimónia. Milhares de pessoas alinharam a “Praça dos Heróis”. Soldados de várias armas deram ao falecido presidente a sua última escolta. Tropas das forças armadas garantiram o bom desenrolar da cerimónia. Não houve incidentes, de qualquer modo, desde que o avião se despenhou a 19 de Outubro, tinha permanecido relativamente calmo na capital.

O caixão de Machel montou numa carruagem coberta de bandeirinhas amarelas. Às 12h38, 21 tiros de canhão – disparados atrás de uma pintura colossal – anunciaram o fim da era Machel em Moçambique.

As fotografias em grande formato nos jornais, em faixas e cartazes mostravam o retrato do homem de tamanho médio com a barba curta à volta das suas bochechas e queixo e os seus olhos quase tímidos, o que parecia contradizer a sua aparência animada no palco político e como tribuna do povo no meio da multidão reverente.

Mas a agitação entre a população permaneceu, pois as verdadeiras causas da queda do avião não puderam ser esclarecidas. As acusações contra o governo sul-africano foram agravadas pelas decorrentes do pensamento tradicional dos moçambicanos. Com toda a seriedade, disse-me um colega moçambicano: “O Presidente Banda do Malawi é um grande mágico. Ele lançou uma maldição sobre Samora Machel, o que foi fatal para o presidente”.

O quão profundamente tais ideias estavam enraizadas na mente do povo tornou-se evidente em Novembro, um dia após a eleição de Joaquim Alberto Chissano como Presidente da Frelimo (de acordo com o Artigo 53 da Constituição moçambicana, o Presidente da Frelimo em unidade pessoal também se tornou Presidente da República. O artigo 57 estipulou que o Comité Central da Frelimo tinha de assegurar que este requisito fosse cumprido).

A organização juvenil OJM solicitou uma manifestação por ocasião da eleição do novo presidente da Frelimo. Centenas de jovens e adultos seguiram o apelo, que começou no Palácio do Congresso e terminou com um discurso no “Parque dos Continuadores”. Claro que estava mesmo no meio dele com a minha máquina fotográfica e apreciei as muitas raparigas e mulheres jovens que tinham comprado penteados elaborados com jóias coloridas e entregaram modelos fotográficos atraentes.

Já durante a marcha, a situação aumentou.

O rumor sobre o feiticeiro malauiano Banda tinha ficado preso no seu cérebro e

transformado em fúria destrutiva com o conhecimento do apoio aos bandos assassinos da RENAMO. Infelizmente, a marcha de protesto passou pelo edifício da embaixada do Malawi, uma casa semelhante a uma villa com um jardim frontal. Quando lá cheguei, tudo já tinha acontecido: Os manifestantes tinham invadido a casa e atirado todo o mobiliário, equipamento e ficheiros pelas janelas. O pessoal da embaixada conseguiu escapar.

Depois do almoço, que levei para a casa “Xenon” pertencente à embaixada da RDA (assim chamada por causa do cinema vizinho), os seguranças impediram-me de entrar na rua.

No lado oposto da rua estava a missão comercial sul-africana, separada da rua por um muro de cerca de dois metros de altura. Jovens manifestantes tinham entrado no complexo sul-africano e tentaram invadir a casa. Da varanda do terceiro andar do “Xenon”, observei a paisagem que se espalhava por ali durante as duas horas seguintes.

Polícias e soldados pareciam estar sobrecarregados com a situação desconhecida e permaneceram inactivos durante muito tempo, quando pedras bateram contra as janelas e paredes da casa e alguns jovens tentaram arrancar a mini estação de serviço do chão. Quando os soldados começaram a atirar bombas de fumo para a multidão, simplesmente atiraram-nas de volta.

Na varanda, o fumo mordeu-nos dolorosamente nos olhos. Antes de tudo ficar fora de controlo, apareceu o ministro da segurança moçambicano Viera e, para nosso espanto, terminou a assombração com um breve discurso. O que restou foram paredes manchadas de slogans, ameaças e apelos. Os jovens condenaram o governo sul-africano como o assassino do presidente e exigiram vingança.

Como as causas do acidente permaneceram no escuro, tentei obter uma imagem para mim próprio.

A “Agência de Informaçâo de Moçambique” (AIM), a agência noticiosa do país, publicou factos interessantes em “Notíçias” que confirmaram a presunção de que a África do Sul estava por detrás da tentativa de assassinato.

A imagem mais adequada veio de um relato especial publicado pela AIM na “Notíçias” de 26 de Janeiro de 1987 sob o título “Os últimos dez minutos”. Refiro-me a isto nos extractos que se seguem. O referido artigo pressupõe que a tripulação da aeronave acreditava estar a voar em direcção a Maputo e que não havia razão para duvidar disso.

Os exames e avaliações anteriores dos registadores de voo tinham mostrado que o comandante da aeronave comentou o desvio do trajecto de voo às 21 horas, 11 minutos e 28 segundos. De acordo com uma tradução oficial do russo para português, disse ele: “E quanto ao feixe de desvio? Não está a ir em frente?” Ao que o navegador respondeu: “O VOR [radiofarol] está a apontar nesse sentido”.

Nessa altura, o avião estava localizado a 100 quilómetros de Maputo, entre Magude e a fronteira com a África do Sul.

A conversa gravada na cabine mostrou que a tripulação não desconfiava nada e falava calmamente de coisas banais. Para eles, o VOR foi o sinal decisivo para a direcção a tomar.

“Tolik, puseste o teu lápis?”

O navegador chamado “Tolik” disse: “Conectado?”.

O comandante ao engenheiro de voo, que se chamava “Vova”: “Vova, tem um lápis comprido?”

Esta foi a forma como se realizou a continuação da conversa. O tempo crítico aproximava-se.

21:12h. o engenheiro de voo gritou: “Três cervejas e uma Coca, aqui”.

Comandante: “Sim, três cervejas, Vova?”.

Engenheiro de voo: “Sim, e uma Coca para todos”.

Comandante: “Muito bem.”

O relatório salientou neste ponto que a tripulação não tinha consumido qualquer álcool nas últimas doze horas e que a encomenda de bebidas também poderia significar que deveriam ser levadas para casa após o voo.

Copiloto: “Porque estão duas luzes acesas e a outra apagada?”

O navegador interjeitou que ainda se encontravam a 80 quilómetros de Maputo.

Voltando às luzes, o co-piloto perguntou: “Deveriam estar ligadas, não deveriam?”.

o comandante. “É sempre assim?”

“Sessenta quilómetros até Maputo”, gritou o navegador.

O comandante parecia ter uma ligeira dúvida: “O quê, vamos aterrar dentro de 20 minutos, com certeza?” Ele perguntou novamente quantos quilómetros faltavam antes de lá chegarmos.

Navegador: “60 quilómetros”.

Durante este tempo, o avião voou em direcção à fronteira sul-africana com uma mudança de rumo de 37 graus, que o VOR tinha especificado, mas não em direcção a Maputo.

21:16 horas, o comandante falou. “Volodya, é necessário reportar o que o altímetro lê”.

O operador de rádio: “Diz-lhes, diz-lhes, não é a primeira vez”.

Um minuto depois, o comandante perguntou-se: “Isto não é Maputo, pois não?”.

“O quê?”, perguntou o co-piloto de volta.

O comandante: “Não consigo ver Maputo” e acrescentou: “A energia eléctrica está desligada”.

Obviamente, ele estava a assumir uma das frequentes falhas de energia eléctrica em Maputo.

Co-piloto: “Olhe para a sua direita, está aceso”.

Navegador: “Há algo que eu não compreendo”.

“Não, é algum tipo de coisa…” gritou o comandante e o navegador acrescentou: “O ILS desliga-se e o DME”.

“Tudo se desliga, vejam, rapazes”, confirmou o comandante.

Então o navegador disse: “E os NDB’s não funcionam”.

O ILS (Instrument Landing System) é o instrumento utilizado para indicar a aterragem, o DME (Distance Measuring Equipment) indica a distância ainda a ser percorrida. O aeroporto inclui também os sistemas de rádio auxiliares, num sentido os sinais dos faróis chamados NDB (Non Direccional Beacon).

Foi notório para a situação que a falha dos três sistemas foi nomeada pela tripulação, mas não pelo VOR.

Mas como a equipa estava habituada a cortes totais de energia durante os 18 meses da sua estadia em Moçambique, eles mantiveram-se relativamente calmos. A linha de alta voltagem Maputo-Komatiport sofreu repetidamente com actos de sabotagem.

“Há uma luz à esquerda”, disse o co-piloto.

“Direita! Alguma coisa em evidência?”, perguntou o comandante inquirido e ordenou que contactassem a torre em Maputo.

Na gravação da conversa da cabine (CVR), a voz do co-piloto pôde ser ouvida, que indicou a altitude de voo a 3000 pés. Isso foi às 21.18h.

Com um grito alto, o comandante repetiu duas vezes a leitura da altitude, depois lançou uma maldição e gritou com raiva: “Calem-se, rapazes!

Mais tarde, uma inspecção dos registadores de voo (DFDR) mostrou que a aeronave continuava a descer.

O operador de rádio fez contacto com a torre de controlo e indicou a altitude de voo a 3000 pés.

O inspector na torre disse: “Confirmem que têm olhos no aeroporto”.

“Ainda não”, respondeu o operador de rádio.

“Não”.

Às 21 horas, 18 minutos e 46 segundos, o controlador permitiu a aproximação à pista 23.

A partir daí, podia concluir-se que o ILS de Maputo funcionava ou que o controlador o aceitava.

Na cabine, o comandante indicou o não-funcionamento do ILS em três repetições.

21 horas, 18 minutos e 59 segundos: O operador de rádio perguntou à torre se o ILS estava “fora de serviço”. A sua pergunta foi respondida afirmativamente.

Neste momento, surgiu uma ambiguidade. As discussões foram conduzidas em inglês. Na tradução do texto do AIM, o inspector respondeu com “afirmativo”, que significa “afirmativo”, mas esta é uma formulação estranha. Uma resposta clara deveria ter sido “sim” (sim) ou “não” (não). Será que ele queria dizer que afinal estava a funcionar e estava ligado, ou será que queria confirmar que estava fora de ordem?

Ao mesmo tempo, permitiu a “abordagem visual da pista 5” e acrescentou a informação necessária sobre o vento dominante.

Obviamente que havia um problema de comunicação na cabina. A tripulação pensou que tinha um na aproximação a Maputo.

O operador de rádio perguntou na torre sobre a formação de nuvens e o comandante viu “luzes do lado direito”.

“A pista não está iluminada?” perguntou o co-piloto, e o navegador repetiu a pergunta.

O comandante: “Há um problema”.

O operador de rádio pediu então à torre para verificar a iluminação da pista.

O inspector confirmou a “aproximação visual” à pista 05 a partir da zona da Matola (um subúrbio de Maputo).

Isto criou a seguinte incoerência. Em princípio, um controlador não pode confirmar uma aproximação visual sem que a tripulação lhe diga que pode ver a pista (durante o dia) ou (à noite) as suas luzes.

Houve outra troca de palavras entre o operador de rádio e o controlador após este último ter confirmado a aproximação do lado direito da pista 05, da zona entre Catembe (um subúrbio do outro lado da baía de Maputo) e as Torres Vermelhas.

21:20h e 12 segundos. Pergunta do Comandante: “O quê, certo? Espera, direcção… 24”.

Ficou assim claro que a coordenação entre o operador de rádio e o comandante não estava correcta, que ainda acreditava na aterragem na pista 23, como indicado anteriormente.

A conversa seguinte foi relaxada na cabine.

21:20:22 Comandante: “Não compreendo nada”.

Operador de rádio: “Ainda não vê a pista de aterragem?”

21:20:30 Comandante: “Não compreendo nada”: “Que pista de aterragem? De que está a falar?”

21:20:32 Navegador: “Vamos aterrar directamente?”

21:20:35 Comandante: “Que pista? “Aterraremos directamente”.

21:20:38h Operador de rádio: “Não, mas vê a pista de aterragem?”

Copiloto: “Não, não há nada aqui, nem uma cidade ou uma pista de aterragem”.

Operador de rádio: “Bem, ele diz que…”

Comandante: “Ele diz…”

Copiloto: “O quê, o que é que ele está a dizer?”

Operador de rádio: “Pedi-lhe para verificar a pista de aterragem”.

Comandante: “Não consigo entender o que ele está a dizer”.

Comandante: “Não consigo ver nada, rapazes”.

Copiloto: “Diga-lhe novamente para verificar as luzes”.

Comandante: “Bem, não, na verdade as nuvens… estão a cair…”

21:20:54 pm. Navegador: “Aproximadamente 18 a 20 quilómetros”.

Três segundos depois, o operador de rádio virou-se novamente para a torre com o pedido para verificar as luzes da pista.

Às 21:21:05, o inspector voltou a confirmar a aproximação visual.

Na aeronave, o alarme GPWS (Ground Proximity Warning System) foi accionado dois segundos antes. Isto deixou claro que a aeronave se encontrava numa perigosa proximidade do solo.

Comandante: “O inferno!”

21:21:17 horas. O operador de rádio exortou o inspector: “Será que as luzes da pista não estão a funcionar?”

Ele repetiu a pergunta: “As luzes da pista não estão a funcionar?”

O operador de rádio: “Confirmo: não há luzes acesas”.

O comandante gritou em voz alta: “Não, apenas nuvens, nuvens, nuvens, nuvens”.

21:21:32 pm. O GPWS continuou a enviar sinais de alarme. Após mais quatro segundos, a voz alta do navegador soou: “Não, não, não, para onde é que isto vai? Não há NDB’s, não temos nada”.

Comandante: “Nem NDB’s, nem ILS”.

Às 21 horas, 21 minutos e 39 segundos, o avião bateu no pequeno planalto de Mbuzini a uma velocidade de 411 quilómetros por hora.

Nesses segundos, a vida do presidente e da maioria dos outros passageiros foi extinta.

Foi tudo isto um problema técnico?

O piloto mal teve tempo para pensar. Normalmente, no caso de um problema, precisa de 30 segundos para levar o avião a uma altitude segura, depois tem de reflectir o que aconteceu e tomar uma nova decisão. Esta é uma “regra de ouro” da aviação.

Resta saber porque é que o piloto não puxou o avião para cima quando o alarme foi accionado.

A investigação foi baseada em duas hipóteses.

A tripulação acreditava estar a voar na direcção certa em direcção a Maputo e considerava que a altura acima do solo era suficiente.

Ela acreditava em erros nos instrumentos de medição.

Outra hipótese era que após 17 horas de trabalho (no limite máximo do permitido) a atenção da tripulação foi reduzida e que factores subjectivos como o desejo de estar em breve em casa foram fortemente pronunciados. No entanto, a enorme experiência profissional da tripulação falava contra isto.

A questão do VOR mantém-se.

O facto é que: Até Magude, o avião estava a quatro a seis quilómetros da rota. Este foi um procedimento normal. Se o VOR não tivesse sido ligado, teria voado numa direcção sudeste em direcção a Maputo, e a tripulação teria podido ver a cidade com bom tempo, porque o céu estava limpo nessa altura. Será que o VOR de Maputo estava desligado? Mais tarde, as investigações sul-africanas assumiram que um dos homens de segurança sul-africanos, Cornelio Vasco Cumbe (vulgo Roberto Santos Macuacua) tinha sido infiltrado na Torre de Maputo. As gravações do aeroporto de Maputo foram perdidas.

Então, se o VOR não era de Maputo, então de onde veio?

A suspeita de que tinha sido instalado por sul-africanos em Matsaba (Suazilândia) tornou-se mais forte nos anos seguintes, especialmente porque a situação política mudou com a abolição do apartheid e a tomada de posse pelo Presidente Nelson Mandela.

Quase 13 anos mais tarde.

A 19 de Janeiro de 1999, foi inaugurado um monumento no local da queda, perto de Mbuzini.

Nelson Mandela proferiu um discurso memorável na inauguração do Samora Machel Memorial.

Nele, ele abordou a eliminação do racismo e a introdução da democracia na República da África do Sul e elogiou o papel de Machel como combatente de uma nova África do Sul. Agradeceu também ao Presidente Chissano de Moçambique pelo seu apoio, felicitou o arquitecto moçambicano Dr. José Fortaz pela criação bem sucedida do memorial e elogiou Nkosi Mahlalela pelo fornecimento da terra. No final do seu discurso, Mandela identificou-se com Machel, citando-o e apontando os seus objectivos comuns. Ambos aspiravam “à criação de uma nova sociedade”: “forte, saudável e próspera, onde as pessoas vivam livres da exploração e vivam juntas para o progresso”. Além disso, “este monumento é um tributo aos homens e mulheres que perderam as suas vidas naquela noite”.

A África do Sul também assumiu o custo de 1,5 milhões de rands (cerca de 300.000 dólares) para a erecção do monumento, cujos mais de 30 tubos de aço representam o número de mortos nessa altura. Duas paredes de betão perfuraram a encosta, como o nariz de um avião. Atrás delas sobe uma plataforma com mastros de aço. Os nomes dos mortos são imortalizados em duas estelas de tijolo. Restos do TU 134, que na altura foi esmagado em pedaços, foram incorporados no complexo como testemunhos da verdade, por assim dizer. Na sua edição de 26 de Outubro de 1986, o fotógrafo moçambicano Kok Nam documentou na revista semanal “Tempo” a forma como os destroços da aeronave foram distribuídos. Uma fotografia mostrou o trem de aterragem com uma roda rasgada, outra um motor partido contra o fundo da máquina destruída. Havia também um grande plano de dois lados dos destroços com o símbolo de estado intacto. A fotografia mostrava a força do impacto, com peças completamente empurradas umas nas outras e esmagadas umas contra as outras.

Graça Machel e a sua família também assistiram à inauguração do monumento.

Mas de volta ao evento fatal.

Nelson Mandela prometeu uma investigação exaustiva do incidente durante a sua presidência na África do Sul. Em 2006, o seu sucessor, Mbeki, reafirmou a sua intenção de prosseguir com a investigação. O Ministro da Segurança Charles Nqakula anunciou novas provas.

22 anos após o acidente, a televisão sul-africana transmitiu o documentário “Morte de um Presidente”. Neste filme de 2008, apareceu a testemunha ocular Hans Louw. O antigo assassino do regime abolido do apartheid tinha sido condenado a 28 anos de prisão pelos seus crimes.

Foi libertado após 11 anos. Provavelmente por gratidão por isto – não ouso escrever de longe com a consciência tranquila – ele admitiu a sua participação no ataque a Machel. No início de Outubro de 1986, tinha sido iniciado “juntamente com outros agentes” nos seus planos, e confirmou também o uso de um radiofarol manipulado. Na altura, ele tinha feito parte de um dos dois esquadrões que iriam utilizar mísseis antiaéreos apoiados no ombro para puxar o avião para fora do céu, se a variante com o radiofarol não funcionasse. Para dar um toque de verdade à sua confissão, conduziu a equipa de TV ao seu lugar de acção no Lebombobergen. Segundo ele, foi um dos homens de segurança que descobriu a morte de Machel após o acidente, vasculhou os escombros e as pessoas à procura de documentos e recolheu-os.

Teatralmente, Hans Louw anunciou que queria “aliviar a sua consciência” para que pudesse morrer um dia como “homem de honra”.

Se a sua morte um dia será feita com “honra”, atrevo-me a duvidar.

Mas as querelas sobre a morte de Machel continuam até ao dia de hoje.

Um artigo publicado num jornal moçambicano a 16 de Outubro de 2008 acusava a televisão sul-africana de se juntar a uma “campanha de desinformação”. Era sobre o canal SABC 3, que “falsificou” ou “escondeu” os factos apresentados pela comissão de inquérito moçambicano/soviética. O artigo tratava de declarações de Hans Louw. Estas foram uma “nova edição das declarações de 2003 no semanário sul-africano Sowetan Sunday World ao estilo de uma confissão com a intenção de uma amnistia pela Comissão da Verdade (TRC)”. Essencialmente, tratavam-se de contradições nas declarações de Louw em comparação com o que os peritos sul-africanos, soviéticos e moçambicanos tinham determinado: O trem de aterragem foi prolongado ou retraído no momento do impacto? Teria uma ponta da asa tocado pela primeira vez numa árvore? (…). Houve também comparações com as discussões no cockpit do piloto.

De facto, ainda hoje subsistem outras incertezas, também no que diz respeito ao radiofarol manipulado (VOR). De acordo com isto, o VOR do Aeroporto Internacional de Matsaba na Suazilândia transmitiu na frequência 112,3 MHz, mas o de Maputo na frequência 112,7 MHz.

Resta saber o que o engenheiro do conselho sobrevivente Novossolov realmente disse em Moscovo. É possível que a actual liderança russa esteja na posse das suas declarações. Um estudo africano descobriu que Novossolov “foi assassinado há cerca de seis anos”. As autoridades então competentes da União Soviética não tinham permitido declarações do engenheiro de voo antes da comissão de investigação, mas tinham providenciado a sua transferência do hospital para Moscovo.

Uma acusação que ainda não foi discutida publicamente foi levantada pelo jornal moçambicano acima mencionado, com uma referência ao antigo Ministro da Segurança de Moçambique, Coronel Sérgio Vieira, que foi citado na edição de 15 de Agosto de 2008 do jornal “O País” como dizendo que a Inglaterra e os EUA “sabiam o que tinha acontecido” em Mbuzini. Ambos os embaixadores dos Estados designados em Maputo declararam que nada sabiam da acusação de Vieira. Isto fez-me lembrar um ouvinte, numa das minhas palestras sobre a história de Moçambique, que me perguntou o que podia dizer sobre um possível envolvimento da CIA. Tive de lhe ficar a dever a resposta. Um jornalista, que também estava presente, perguntou então sarcasticamente se era possível que os serviços secretos americanos não tivessem estado envolvidos num único crime político em África.

Será que isto encerra o capítulo – ainda não completamente esclarecido – sobre a morte do Presidente de Moçambique, Samora Moisés Machel, meu vizinho?

Não importa quão concretamente o crime e os seus autores devam ser descritos, existem também causas existentes que definem o local do crime. A morte de Samora foi conjurada pela interacção confusa dos efeitos do passado colonial com os sacrifícios de sangue da descolonização portuguesa, a destrutiva guerra civil, as lutas existenciais entre os principais campos da Guerra Fria e os seus violentos representantes regionais. Ele próprio pagou com a sua morte, o país com pobreza e as pessoas com a sua dignidade roubada, o que significa que ainda não são capazes de viver e sobreviver sem ajuda externa.

Mas há boas notícias: em 1998, a sua esposa Graça Machel, minha chefe executiva no Ministério da Educação de Maputo, casou com Rolihlahla Nelson Mandela, uma lutadora de oitenta anos pela causa da população negra na África do Sul que é respeitada em todo o mundo, tornando-se assim – provavelmente a única no mundo – Primeira Dama em dois países diferentes.


Tradução| Grajek, Rainer: Kreuz und quer durch Afrika. Band 1. Unterwegs auf dem schwarzen Kontinent. Novum pro. 2014. Página 401 – 454.

ISBN: 978-3990384312


Última atualização em