Novo livro: Para respeito e reconhecimento

Em Março de 2020, foi publicado um livro pela Mitteldeutscher Verlag Halle, para o qual contribuí com um capítulo. Os editores Birgit Neumann-Becker e Hans-Joachim Döring conferiram-lhe o título de “Respeito e Reconhecimento. Os trabalhadores contratados moçambicanos e o difícil legado da RDA” (título original: Für Respekt und Anerkennung. Die mosambikanischen Vertragsarbeiter und das schwierige Erbe aus der DDR). Contém os discursos da Conferência Internacional de Moçambique em Magdeburgo, em Fevereiro de 2019.

O tema principal das discussões em Magdeburgo foi a situação dos trabalhadores moçambicanos com contrato após o fim da RDA e as suas reivindicações de salários não pagos, que deveriam receber no seu país de origem após as correspondentes transferências da RDA. A maioria dos repatriados não recebeu este dinheiro. Antigos responsáveis da RDA (por exemplo, Markus Meckel, ex-Ministro dos Negócios Estrangeiros), representantes dos “Madgermanes” (é assim que os retornados da Alemanha são chamados em Moçambique), representantes do actual Governo alemão (Günter Nooke, Comissária para África da Chanceler alemã Angela Merkel e no  Ministério Federal da Cooperação Económica e do Desenvolvimento) e antigos cooperantes da RDA em Moçambique debateram a situação.

A minha apresentação examinou de uma perspectiva histórica a vida dos moçambicanos e dos trabalhadores do desenvolvimento da RDA em Moçambique nos anos 80.

Foi dada especial atenção ao agravamento da situação política e militar no ano da crise moçambicana de 1986. A queda do avião presidencial moçambicano, com mais de 30 mortos em Outubro de 1986, evocou o perigo de uma invasão sul-africana e forçou as actividades destrutivas da RENAMO. Só depois do funeral do Presidente Samora Machel é que a situação se acalmou e a vida pública recomeçou.

Só o tratado de paz concluído em Roma em 1992 pôs termo a 26 anos de guerra civil. Incluindo a guerra de libertação anti-colonial, os moçambicanos tiveram de suportar mais de 30 anos de guerra.

Fundo isto na minha contribuição com factos concretos das entradas da minha agenda daquela época. O capítulo que contribuí para o livro intitula-se “Que vestígios deixámos para trás? Dos diários de um cooperante da RDA em Moçambique”. As fotografias são anexadas ao texto.

O livro contém um anexo de documentos que torna compreensíveis os acontecimentos políticos do período 1979-1990.

Gostaria de destacar especialmente os contributos de Katrin Bahr, que está a investigar a história comum da RDA e de Moçambique como parte do seu doutoramento, e do Dr. Cesare G. Zucconi (Secretário-Geral da Comunidade de Sant’Egidio), que descreve o processo de mediação de 1992 em Roma para a paz entre a Frelimo e a RENAMO.

Última atualização em